UPA de Caxias zera n° de pacientes internados com Covid-19

UPA de Caxias
UPA de Caxias

No começo do atendimento aos pacientes com covid-19, assim que a pandemia teve início, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Caxias era praticamente a única unidade para o atendimento aos pacientes com síndromes gripais ou casos confirmados para a covid-19, o que fez com que houvesse uma grande procura pela unidade, que em muitos momentos operou em sua capacidade máxima. No mês de junho, com a abertura das atividades, por exemplo, a UPA estava com praticamente todos os leitos ocupados.

A abertura dos atendimentos no Centro Médico, hospital de campanha alugado pela Prefeitura de Caxias, a abertura da UTI para pacientes com covid-19 no Complexo Municipal Gentil Filho, somados a outros esforços, como o da Atenção Primária, que fornece a medicação já na Unidade Básica de Saúde para o tratamento dos primeiros sintomas apresentados pelos pacientes, foram medidas que ampliaram o raio de atuação e a capacidade da rede municipal de saúde.

Mais uma paciente recuperada em Caxias
Mais uma paciente recuperada em Caxias

Todas estas medidas foram importantes e continuam funcionando com sucesso, a tal ponto que fez com que a UPA, tanto por meio de altas médicas, quanto pela transferência (regulação) de pacientes para os demais hospitais da rede de saúde, chegasse nessa terça-feira (21) a zerar a quantidade de pacientes na unidade e, nesta quarta-feira (22), estivesse com apenas um paciente internado, dando assim uma dinâmica de trabalho mais estabilizada para todo o serviço de saúde, que, funcionando em sintonia, consegue dar agilidade e maior resolutividade aos casos de pessoas que precisam enfrentar a covid-19.

A UPA é a unidade de saúde referência no município para atendimento de casos de pacientes suspeitos e confirmados com a covid-19.

Anvisa libera testes de mais duas vacinas contra a Covid-19 no Brasil

Vacina contra a Covid-19 em teste no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou nesta terça (21) a condução de testes clínicos de mais duas vacinas contra a Covid-19 no Brasil, registra O Globo.

As fórmulas são desenvolvidas pela farmacêutica americana Pfizer e pela empresa de biotecnologia alemã BioNTech –a segunda já induziu a chamada “resposta imune” em voluntários testados na Alemanha.

O Brasil terá, portanto, quatro vacinas candidatas sendo testadas. A primeira a obter autorização foi a da AstraZeneca em parceria com Oxford, que está sendo testada em parceria com a Unifesp e o Instituto D’Or do Rio.

A segunda foi a do laboratório chinês Sinovac Biotech, que está sendo testada em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista.

Por concentrar uma das maiores taxas de contágio pelo coronavírus no mundo, o Brasil, o segundo país mais afetado do planeta pela pandemia, constitui um campo fértil para testes de vacinas candidatas”, explica o jornal carioca.

O ANTAGONISTA

Mulher de Bolsonaro testa negativo para a Covid-19

Michelle e Jair Bolsonaro
Michelle e Jair Bolsonaro

A esposa do presidente Jair Bolsonaro, Michelle Bolsonaro, comunicou neste sábado (11), através de uma rede social que ela e as filhas testaram negativo para o novo coronavírus (Covid-19).

Já o presidente, que testou  positivo para o vírus, segue em isolamento social.

Imagem do Dia: Covid-19 em alta e Rua Grande lotada

Rua Grande, em São Luís. Foto: Gilson Teixeira
Rua Grande, em São Luís. Foto: Gilson Teixeira

O registro acima foi feito nesta terça-feira (7) na Rua Grande, no Centro de São Luís.

Em meio à pandemia, a principal rua do comércio da capital segue enchendo de pessoas que pelo visto não temem ser infectadas pelo novo coronavírus (Covid-19).

Urgente! Bolsonaro testa positivo para a Covid-19

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, testou positivo para o novo coronavírus (Covid-19).

A confirmação foi feita pelo próprio presidente durante em entrevista à TV Brasil.

Nesta segunda-feira (6) ele apresentou febre de 38 graus e 96% de oxigenação e fez o exame no Hospital das Forças Armadas em Brasília. O resultado foi divulgado há pouco.

O estado de saúde de Bolsonaro é “bom”, segundo informou nota da Secretaria Especial de Comunicação Social do governo.

Bolsonaro está com sintomas da Covid-19

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro está com sintomas do novo coronavírus. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (6) pela CNN Brasil.

Segundo a emissora, o próprio Bolsonaro informou que está com 38 graus de febre e 96% de oxigenação.

O presidente Bolsonaro esteve no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, passou por raio X e fez o teste da Covid-19. O resultado deve ser divulgado nesta terça-feira (7).

Artigo: Impactos socioeconômicos da suspensão das aulas presenciais

Secretário de Educação, Felipe Camarão

Para além dos impactos na aprendizagem das crianças, adolescentes, jovens e adultos de todo o mundo, a suspensão das aulas presenciais, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, trouxe consigo repercussões econômicas e sociais preponderantes tanto na renda das famílias, quanto nas atividades de produção e consumo, geradas com o funcionamento das escolas. Essas, por sua vez, ganharam destaque, nesse momento, pelo reconhecimento de seu papel e valor que perpassa os vários campos da sociedade.

Uma Nota Técnica, publicada recentemente, sobre as medidas de proteção social, frente à COVID-19, na América Latina e Caribe, apontou que a crise socioeconômica derivada de emergência sanitária tem se agravado e, com ela, também têm crescido as respostas de proteção social nos países para garantir assistência, notadamente, às famílias que sofrem pela vulnerabilidade e desigualdades sociais tão latentes na pandemia.

Os efeitos sociais e econômicos sentidos por estudantes e suas famílias, durante o período de fechamento das escolas, são evidenciados pela insegurança alimentar causada com a falta das refeições, geralmente realizadas no ambiente escolar, o que já foi alertado pela UNESCO e nas relações de trabalho, quando muitos estudantes tiveram que ajudar os pais para garantir o sustento da família, durante a pandemia, também já constatado por organismos internacionais, entre outras questões que podem ocasionar o abandono e fracasso escolar.

O Instituto Unibanco e o Todos Pela Educação lançaram, no mês passado, um estudo com o título “Covid-19: Impacto Fiscal na Educação Básica – O cenário de receitas e despesas nas redes de educação em 2020”, baseado em pesquisas sobre os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus na educação básica. O documento chama a atenção da sociedade e dos poderes constituídos para a urgência da aprovação do novo Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), a necessidade de apoio do Governo Federal aos estados e municípios e a potencialização dos recursos educacionais para evitar o aumento da desigualdade entre as diferentes redes e, até mesmo, falta de dinheiro para a educação.

De acordo com os dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e levantamento realizado com 22 redes estaduais de Educação Básica, “O conjunto das redes estaduais de ensino deve perder entre R$ 9 e R$ 28 bilhões neste ano, a depender do cenário de crise econômica e impacto na arrecadação de tributos vinculados à manutenção e desenvolvimento da Educação. Além disso, já são quase R$ 2 bilhões, até o momento, de gastos adicionais, dadas as adaptações para ofertar variadas soluções de ensino a distância”, concluiu o estudo. E cabe ressaltar, nesse sentido, que o Boletim Focus, divulgado no início da última semana, já previu uma retração de 6,54% para o Produto Interno Bruto (PIB), em 2020.

Esse cenário representa um desafio para todos nós: ao poder público, que é responsável por implementar e gerir políticas assertivas e protetivas que possam mitigar esses impactos da pandemia; às equipes gestoras das escolas, que mais do que nunca precisam garantir a gestão da escola como espaço democrático, de solidariedade, afeto e interação com os pais e responsáveis; aos professores, importantíssimos profissionais que lidarão em ambientes presenciais e virtuais com estudantes imersos em contextos diversos; e às famílias, colaborando com incentivo e crédito na escola como espaço social de transformação e melhoria da qualidade de vida.

Na contramão do pessimismo e refutações acerca do ano letivo, seguimos na luta com a esperança de que retornaremos aos ambientes escolares, determinados à vitória, com a arma mais poderosa que se tem para mudar o mundo, a educação, parafraseando Nelson Mandela.

Posso garantir que o Maranhão, sob a gestão do governador Flávio Dino, trabalha incansavelmente para superar esses impactos, com prioridade à vida e à saúde do povo maranhense, sem abrir mão dos investimentos na formação cidadã, equânime e digna, prática que sempre norteou este governo.

Felipe Camarão
Professor
Secretário de Estado da Educação
Membro da Academia Ludovicense de Letras e Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão

São Luís é 4ª capital com menor ritmo de contágio da Covid-19 em todo Brasil

Equipes fiscalizam cumprimento de regras de higiene na capital (Foto: Divulgação)

O ritmo de contágio do coronavírus na capital maranhense está caindo e entrou na faixa abaixo de 1. Quanto menor o número, menos a doença se espalha. Os dados são da plataforma Farol Covid, que analisa a situação de cidades e estados.

De acordo com o estudo, São Luís teve na segunda-feira (15) um ritmo de contágio de 0,88, o quarto menor entre todas as capitais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Quando a taxa é superior a 1, cada contaminado transmite a doença para mais de uma pessoa, logo o vírus ainda avança. Quando é abaixo de um, a tendência é que os novos casos comecem a cair. Afinal, uma pessoa passa a contaminar cada vez menos outras pessoas.

Na prática, isso significa que algumas pessoas passam a não mais contaminar outras. Por isso, a quantidade de casos novos vai se reduzindo.

Em outras palavras, o número de casos ativos (de pessoas com a doença) passa a crescer bem menos e o número de pessoas recuperadas passa a crescer bem mais.

O cenário perfeito é quando a taxa chega a zero, ou seja, não há contaminações. Mas esse é um cenário ainda distante para todas as capitais brasileiras.

Capacidade hospitalar

O estudo do Farol Covid mostra que a tendência de contágio na capital maranhense está na classificação “melhorando” e o ritmo está em “bom”.

Outro dado contido no levantamento é a capacidade hospitalar da cidade, classificada como “boa”.

Isso quer dizer que os leitos não estarão todos ocupados por pelo menos dois meses, “indicando que o poder público terá tempo para organizar uma resposta caso o número de casos venha a crescer de modo inesperado”.

Farol Covid

A plataforma Farol Covid foi desenvolvida pela Impulso em parceria com o Instituto Arapyaú e InLoco. A ferramenta calcula o ritmo de contágio a partir dos dados oficiais divulgados pelas secretarias estaduais de saúde.

O Farol Covid pode ser visto aqui

Capitais

Veja a lista das capitais e seus respectivos riscos de contágio, do menor para o maior, no dia 15 de junho, segundo o Farol Covid:

1 Manaus 0,63
2 Recife 0,79
3 Rio de Janeiro 0,84
4 São Luís 0,88
5 Fortaleza 0,88
6 Belém 0,92
7 Rio Branco 0,95
8 São Paulo 1,01
9 Macapá 1,06
10 Florianópolis 1,12
11 Maceió 1,13
12 Salvador 1,15
13 João Pessoa 1,17
14 Natal 1,2
15 Boa Vista 1,21
16 Goiânia 1,23
17 Palmas 1,24
18 Belo Horizonte 1,28
19 Vitória 1,29
20 Brasília 1,33
21 Curitiba 1,35
22 Porto Alegre 1,35
23 Porto Velho 1,36
24 Aracaju 1,38
25 Teresina 1,4
26 Campo Grande 1,45
27 Cuiabá 1,62

Maranhão é o 3º Estado que mais testa para coronavírus no país

Foto Reprodução

Com mais de 90 mil testes realizados, o Maranhão agora ocupa a 3ª colocação no ranking nacional dos estados que mais realizam a testagem para a detecção do novo coronavírus. Os dados divulgados nesta quarta-feira (10) mostram que o estado subiu mais três posições depois da última avaliação, realizada ainda no mês de maio, quando o Maranhão ocupava o 6º lugar em número de testagem.

Até a última terça-feira (09), já haviam sido realizados 93.111 testes para diagnóstico da Covid-19. Só nos últimos 18 dias foram realizados quase 60 mil testes e, nesta quinta-feira (11), começou a distribuição de mais de 50 mil testes rápidos para os 217 municípios do Estado.

A intenção é massificar a testagem para identificar os positivados e isolá-los, a fim de evitar a transmissão. A testagem é importante também para termos um panorama da situação em cada região, para seguirmos com o planejamento das ações de expansão da rede de assistência e a adoção de outras medidas referentes à pandemia”, afirmou secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

As informações sobre testagem são disponibilizadas nos sites oficiais das secretarias de Saúde de cada Estado e reunidas pelo Conecta SUS, suporte tecnológico e informativo do Governo do Maranhão que monitora todas as informações em Saúde.

O Maranhão vem avançando na testagem para diagnosticar o novo coronavírus e isso tem sido demonstrado no ranking nacional, onde hoje ocupamos a 3ª posição. Buscamos alcançar o maior número de pessoas para tentar minimizar a curva de contágio e diminuir a contaminação da população”, diz o gestor do Conecta SUS, João Cunha.

Ocupando os primeiros lugares no ranking, aparecem os estados do Ceará (159.416) e Distrito Federal (147.226) respectivamente. Nas últimas colocações estão Roraima (9.581), Amazonas (6.183) e Tocantins (6.010).

Deputado Leonardo Sá testa positivo para o coronavírus

O deputado estadual Leonardo Sá comunicou, através de vídeo, que testou positivo para o novo coronavírus (Covid-19).

Confira acima o que disse o parlamentar e a seguir o resultado do exame.

Foto Reprodução