Multidão prestigia lançamento de pré-candidatura de Zé Antonio a prefeito de Imperatriz

Foto Reprodução

“Impactante!”, essa foi a palavra de ordem do pré-candidato à prefeitura de Imperatriz-MA, Zé Antonio, ao ser surpreendido pela multidão que marcou presença no lançamento da sua pré-candidatura realizada na noite de quinta-feira, 16, na casa de eventos New Palace.

A iniciativa atraiu uma multidão de apoiadores e contou com a presença de diversas lideranças políticas regionais, além de destacados políticos do estado. Entre os presentes estavam a deputada Estadual Janaína (Podemos), o deputado Federal Cléber Verde (Agir) e o senador Weverton (PDT), todos demonstrando apoio à pré-candidatura de Zé Antônio.

A festa reuniu populares de todos os cantos de Imperatriz, que lotaram o espaço em concordância não apenas ao pré-candidato a prefeito, mas também aos pré-candidatos a vereadores. “Estou impactado, pois a população está reconhecendo Zé Antonio como um pré-candidato com possibilidades de gerir a cidade, assim como fez na Educação. Estou emocionado com tanto carinho e apoio. Vamos em frente, porque Imperatriz vai dar certo!”

Zé Antonio, é o atual secretário municipal de Educação, é filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) e tem se destacado por suas propostas voltadas para o desenvolvimento educacional da região. “Acredito que o Zé Antonio é um grande nome para fazer com que essa cidade dê certo, se mostrou como um gestor que tem capacidade de fazer a diferença, pois se ele cuidou bem da Educação, tenha certeza que ele vai cuidar bem de toda uma cidade. E é isso que o PDT e toda Imperatriz aposta”, declarou o senador Weverton Rocha.

A presença massiva no evento reflete a expectativa popular para a futura candidatura, marcando um início promissor para a corrida eleitoral. “Vim declarar meu apoio ao Zé Antonio, porque acredito que a mesma competência apresentada à frente da Secretaria de Educação servira para gerir nossa cidade”, frisou Júlia Ferreira.

Pesquisa revela liderança de Bruno Silva na corrida eleitoral em Coelho Neto

Prefeito Bruno Silva

Uma nova pesquisa conduzida pelo Instituto Prevê aponta uma ampla vantagem para o atual prefeito de Coelho Neto, Bruno Silva (PP), na disputa pela reeleição contra a candidata da oposição, Márcia Bacelar (PDT). O estudo, realizado entre os dias 5 e 7 de maio, entrevistou 301 eleitores e foi encomendado pela Rádio Mirante e pelo Portal Imirante.

Nos resultados da pesquisa espontânea, onde os eleitores indicam sua preferência sem uma lista de candidatos, Bruno Silva obteve 40,5% das intenções de voto, enquanto Márcia Bacelar foi a escolha de apenas 15,3%. Notavelmente, 39,5% dos entrevistados ainda estão indecisos, e 4,7% optaram por voto branco ou nulo.

A vantagem de Silva se amplia no cenário estimulado, onde os nomes dos candidatos são apresentados aos eleitores. Neste contexto, o atual prefeito alcançou 59,1% das intenções de voto contra 34,2% para Bacelar.

Além disso, quando questionados sobre quem acreditam que ganhará as eleições, independentemente do próprio voto, 70,4% dos eleitores manifestaram acreditar na reeleição de Bruno Silva. Apenas 17,9% pensam que Márcia Bacelar poderá vencer o pleito.

A pesquisa também investigou a percepção dos eleitores sobre a administração atual de Bruno Silva. Uma significativa maioria de 66,4% dos entrevistados aprovam sua gestão, enquanto 26,9% desaprovam e 6,7% não souberam ou preferiram não responder.

Com uma margem de erro de 5,6 pontos percentuais para mais ou para menos e um intervalo de confiança de 95%, esta pesquisa é a primeira do Instituto Prevê sobre a disputa eleitoral em Coelho Neto, e está registrada na Justiça Eleitoral sob o número MA-08959/2024.

“Em CAJARI sigo com Camyla Jansen” diz Carlos Brandão

Camyla e Brandão

Na tarde de hoje, 09 de maio, o governador Carlos Brandão recebeu, no Palácio dos Leões, a presidente do PSB em Cajari, Camyla Jansen, e expressou seu apoio à sua pré-candidatura.

A reunião contou com a presença do Deputado Estadual Osmar Filho, do Secretário de Assuntos Municipais, Orleães Brandão, do Secretário de Articulação Política, Rubens Pereira, e do esposo de Camyla, Ten Cel PM Walteir. Entre os assuntos discutidos estavam as demandas do município de Cajari e o panorama político futuro da cidade. “O governador Brandão nos recebeu muito bem, foi bastante solícito com as nossas demandas e fiquei feliz com sua declaração de apoio”, afirmou Camyla Jansen.

O grupo da ex-prefeita demonstra estar fortalecido, com 5 vereadores e mais de 100 lideranças em seu apoio, além do respaldo do Deputado Osmar Filho e do Secretário Orleães Brandão. Reconhecida por seu carisma e atenção com o povo, Camyla tem se dedicado intensamente à eleição deste ano.

Felipe dos Pneus lidera pesquisa em Santa Inês, aponta Exata

Prefeito Felipe dos Pneus

O Instituto Exata divulgou nesta terça-feira, 7, dados que mostram que o atual prefeito da cidade, Felipe dos Pneus (PP), lidera a corrida eleitoral no município.

O levantamento foi encomendado pelo Imirante e pela Rádio Mirante. Foram ouvidos 700 eleitores nos dias 22 a 25 de abril. O registro na Justiça Eleitoral foi feito sob o número MA 09430/2024. O nível de confiabilidade é de 95%, e a margem de erro, de 3,33 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O instituto questionou em quem o eleitor votaria para prefeito se as eleições fossem hoje. O resultado foi: Felipe dos Pneus com 37,86%, seguido por Solange Almeida (PL), com 26,86% e Valdevino Cabral com 21,43%.

Com apenas um dígito, aparecem os pré-candidatos Tenente Coronel Vieira Oliveira com 2,14% e Joe Rodrigues com 1,14%. Brancos e nulos somaram 4,57% e não sabe ou não respondeu, 6%.

Republicanos, União e PSDB começam propaganda partidária nesta semana

Propaganda eleitoral

O Republicanos, União e o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) exibem propaganda partidária nesta semana, de acordo com o calendário de 2024. Com transmissão nacional e gratuita em emissoras de rádio e televisão, os programas das legendas serão veiculados na terça-feira (23), quinta-feira (25) e no sábado (27), entre as 19h30 e as 22h30.

Na semana, o Republicanos terá 10 minutos e meio de propaganda: quatro minutos e meio, tanto na terça quanto na quinta-feira, e um minuto e meio no sábado. O União contará com um minuto e meio, com 30 segundos em cada dia.  Já o PSDB exibirá três minutos de propaganda no sábado.

No primeiro semestre de 2024, o União e o Republicanos dispõem de 20 minutos de propaganda cada um, totalizando 40 inserções. O PSDB tem direito a dez minutos, com um total de 20 inserções.

Segundo a Resolução TSE nº 23.679/2022, que disciplina a forma de veiculação desses conteúdos, no ano em que houver eleição ordinária, como em 2024, a propaganda partidária deve ser exibida apenas no primeiro semestre. Somente em anos não eleitorais, essas inserções são transmitidas nos dois semestres.

Legislação

Portaria TSE nº 845, de 25 de outubro de 2023, estabelece a distribuição de tempo da propaganda partidária gratuita para o primeiro semestre de 2024. Esse tipo de programa estava extinto desde 2017, mas voltou a ser permitido após a Lei nº 14.291 entrar em vigor em janeiro de 2022.

Segundo a resolução que regulamenta a propaganda partidária, a veiculação desse conteúdo será sempre às terças-feiras, às quintas-feiras e aos sábados, em horário nobre, entre 19h30 e 22h30. As mídias devem ser entregues por iniciativa e sob a responsabilidade dos respectivos órgãos de direção partidária.

Regras para o cálculo

A propaganda partidária difunde e transmite mensagens sobre a execução do programa do partido e divulga as atividades congressuais da legenda e o posicionamento em relação a temas políticos e ações da sociedade civil. Cabe destacar que pelo menos 30% do tempo destinado a cada legenda deve ser utilizado para promoção e difusão da participação feminina na política. É importante destacar que esse tipo de exibição nada tem a ver com propaganda eleitoral (clique e entenda a diferença entre elas).

O desempenho da legenda em eleições gerais é o parâmetro para definir a divisão do tempo entre os partidos – nesse caso, as de 2022. Conforme a legislação, as agremiações que elegeram mais de 20 deputados federais terão direito a 20 minutos semestrais para inserções de programas de 30 segundos nas redes nacionais e estaduais.

Partidos que conseguiram entre 10 e 20 deputados federais eleitos poderão utilizar 10 minutos por semestre para inserções de 30 segundos cada, tanto nas emissoras nacionais quanto nas estaduais. As bancadas compostas por até nove parlamentares terão cinco minutos semestrais para exibição do conteúdo partidário em âmbitos federal e estadual.

Segundo a legislação, ainda que obtenha percentual de votos suficiente para atingir a cláusula de desempenho, o partido político que não eleger ao menos um deputado federal não fará jus à utilização de tempo de propaganda partidária.

Confira a página da propaganda partidária

Brandão reforça campanha por 2° turno em Imperatriz

 

Governador Carlos Brandão

O governador Carlos Brandão (PSB) está empenhado em mobilizar os moradores de Imperatriz para garantir a participação nas eleições municipais.

Com a cidade muito próxima de atingir a marca de 200 mil eleitores, o que asseguraria a realização de um segundo turno, Brandão gravou um vídeo no último domingo, dia 21, incentivando os cidadãos a retirarem o título eleitoral e regularizarem sua situação junto à Justiça Eleitoral.

A importância do alistamento eleitoral não pode ser subestimada. É através desse processo que os cidadãos exercem seu direito de voto e contribuem para a escolha dos representantes que irão governar a cidade. O governador ressaltou que cada voto conta e que a participação ativa dos eleitores é fundamental para fortalecer a democracia local.

 

Daniella avança, anuncia lançamento e fortalece base em Presidente Dutra

Foto Reprodução

Em ascensão, a deputada Daniella anunciou data, horário e local para o lançamento de sua pré-candidatura em Presidente Dutra. O “start” vai ocorrer no próximo dia 26 de abril, no espaço Avenida House, localizado na Avenida Tancredo Neves, a partir das 18h.

Filha do município, Daniella tem intensificado a agenda de pré-campanha na cidade, visitado lideranças, estreitado sua relação com populares e ampliado os diálogos em torno das necessidades sociais.

Eleições 2024: Braide, Duarte, Wellington e Yglesio confirmados na corrida pela Prefeitura de São Luís

Foto Reprodução

A dinâmica pré-eleitoral para a Prefeitura de São Luís está em pleno andamento, com o primeiro turno agendado para 6 de outubro. Conforme orientação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as convenções partidárias, marcadas para o período de 20 de julho a 5 de agosto, serão o palco para a oficialização das candidaturas.

Até o presente, quatro pré-candidatos já foram endossados por seus respectivos partidos para a disputa: Eduardo Braide (PSD), Duarte Júnior (PSB), Wellington do Curso (NOVO) e Yglesio Moisés (PRTB).

Na eventualidade de um segundo turno está programado para 27 de outubro.

A lista de concorrentes pode se expandir até a data limite das convenções em 20 de julho. O deputado estadual Neto Evangelista (União Brasil) é um potencial candidato que ainda não desistiu oficialmente da corrida.

O ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que figurava nas pesquisas, desistiu da disputa pela Prefeitura de São Luís nas eleições deste ano. A decisão, que já era especulada, foi oficializada no início do mês.

Já o PSTU e o PSOL sinalizaram ao G1 Maranhão a intenção de apresentar candidatos próprios, embora os nomes ainda estejam sob deliberação.

Capital maranhense deve ter 1 mil candidatos a menos em 2024

Câmara Municipal de São Luís

Uma alteração à Lei das Eleições, realizada em 2022 por meio da Lei n.º 14.211, reduzirá drasticamente a quantidade de candidatos a vereador em São Luís nas eleições de 2024. O novo texto, reduziu o limite de candidatos que cada partido pode registrar nos pleitos proporcionais.

Na prática, em 2020, cada partido poderia lançar até 47 candidatos (ou 150% do número de vagas na Câmara Municipal). A capital maranhense tem 31 vereadores.

Com a nova lei, os partidos podem lançar, no máximo, até 100% do número de vagas a preencher, mais um. Ou seja: em São Luís, cada partido (ou federação) poderá ter até 32 candidatos.

Nem todos as legendas, contudo, terão nominatas completas, como revela o vereador Raimundo Penha (PDT). “Tem muito partido que está com problemas para fechar as chapas”, destacou. Ele preferiu, no entanto, não dar os nomes das siglas.

Baixa – A combinação da exigência legal e dificuldades de recrutamento pelos partidos pode reduzir candidaturas em 2024. Esta redução provavelmente será significativa, principalmente no maior colégio eleitoral do Maranhão. A discrepância habitual entre candidaturas permitidas e apresentadas também contribui para isso.

Em 2020, os 30 partidos que disputaram as eleições poderiam lançar até 1.410 candidatos a vereador – mas lançaram efetivamente apenas 943 (ou aproximadamente 67% do permitido).

Para este ano, o máximo permitido já seria abaixo de 1 mil se houvesse as mesmas 30 legendas. Ocorre que não há. O PSC foi incorporado pelo Podemos; o PTB e o Patriota fundiram-se para formar o PRD. Além disso, PT, PCdoB e PV formam uma única federação, assim como PSOL e Rede, além de PSDB e Cidadania.

No fim das contas, haverá em 2024 apenas 25 agremiações disputando vagas na Câmara Municipal da capital – cada uma delas podendo lançar apenas 32 candidaturas, o que culminaria com 800 nomes disputando vagas no legislativo. Se aplicado o mesmo “percentual de aproveitamento” de quatro anos atrás, esse número cairia para apenas 536.

Imirante 

Novas regras: federações partidárias estreiam nas eleições municipais de 2024

Foto Ilustração

A nova legislação eleitoral, atualizada pela Resolução TSE nº 23.729/2024, estabelece as diretrizes para a seleção e inscrição de candidatos para as Eleições Municipais de 2024. A regulamentação, que começou com a Resolução TSE nº 23.609/2019, especifica nos seus primeiros capítulos os requisitos para partidos políticos, federações e coligações, incluindo a execução de convenções partidárias.

Com o primeiro turno das eleições marcado para 6 de outubro, é mandatório que todas as organizações políticas estejam devidamente estruturadas até essa data, conforme determinado pela legislação eleitoral. Um ponto notável é que estas eleições municipais serão as primeiras a contar com a participação de federações partidárias.

Partidos, coligações e federações

De acordo com a norma, poderão participar das eleições o partido político e a federação que, até seis meses antes da data do pleito, tenham registrado seus estatutos no TSE e tenham, até a data da convenção, órgão de direção definitivo ou provisório constituído na circunscrição da disputa e devidamente anotado no tribunal eleitoral competente.

É assegurada aos partidos políticos a autonomia para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações eleitorais. Contudo, a celebração de coligações é vedada nas eleições proporcionais (para o cargo de vereador), sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas majoritárias em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal.

Já no caso das eleições majoritárias (para os cargos de prefeito e vice), a celebração de coligações é facultada aos partidos e às federações, dentro da mesma circunscrição. Mas atenção: a denominação da coligação não poderá coincidir, incluir ou fazer referência a nome ou a número de candidata ou candidato, nem conter pedido de voto para partido político ou federação.

Isso significa que as coligações valem apenas para eleições majoritárias. Já as federações partidárias podem apresentar concorrentes a todos os cargos, tanto nas eleições majoritárias quanto nos pleitos proporcionais.

Em caso de omissão do estatuto sobre normas para escolha e substituição das candidatas e dos candidatos e para a formação de coligações, caberá ao órgão de direção nacional da legenda o ou da federação estabelecê-las, publicando-as no Diário Oficial da União (DOU) até 180 dias antes da eleição.

Na formação de coligações, os partidos e as federações integrantes de coligação devem designar uma ou um representante, que terá atribuições equivalentes às de presidente de partido político no trato dos interesses e na representação da coligação no que se refere ao processo eleitoral.

Convenções

A convenção para escolha de candidatas e candidatos e deliberação sobre coligações deverá ser feita por partidos e federações, de forma presencial, virtual ou híbrida, no período de 20 de julho a 5 de agosto, obedecidas as normas estabelecidas no estatuto partidário ou no estatuto da federação, conforme o caso.

A ata da convenção do partido ou da federação conterá local, data e hora, identificação e qualificação de quem presidiu, relação de candidatas e candidatos escolhidos em convenção com a indicação do cargo para o qual concorrem, bem como o nome completo, o nome para urna, a inscrição eleitoral, o CPF e o gênero, entre outros pontos.

Escolhidos os candidatos e as candidatas que disputarão o pleito, o prazo para registrá-los na Justiça Eleitoral vai até as 19h do dia 15 de agosto.

O que é uma federação partidária e quais as suas regras?

Instituída pelo Congresso Nacional na Reforma Eleitoral de 2021, conforme a Lei nº 14.208/2021, a reunião de partidos em federações foi criada com o objetivo de permitir às legendas atuarem de forma unificada em todo o país.

As federações criadas funcionam como uma única agremiação partidária e podem apoiar qualquer candidato ou candidata, desde que permaneçam assim durante todo o mandato. Isso significa que elas devem vigorar por, no mínimo, quatro anos.

Atualmente, o Brasil conta com três federações partidárias, que abrangem sete partidos, com validade até 2026. São elas: Federação Brasil da Esperança (FE Brasil), que conta com o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e o Partido Verde (PV); Federação PSDB Cidadania, integrada pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e o Cidadania; e a Federação PSOL Rede, que oficializa a união do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) com a Rede Sustentabilidade (Rede).

O que é uma coligação partidária?

Coligação é a união de dois ou mais partidos para apresentar de forma conjunta candidatos à determinada eleição. Desde 2017, as coligações não valem para as eleições proporcionais, ou seja, não elegem representantes para os cargos de deputado federal, deputado estadual ou distrital, nem de vereador.

Entretanto, as coligações valem para as eleições majoritárias, apoiando candidatas e candidatos aos cargos de presidente da República, governador, senador e prefeito. Portanto, nas Eleições Municipais de 2024, elas serão permitidas apenas para lançar candidaturas às prefeituras.