Impeachment tem 68% de aprovação e Dilma diz: “Agora é matar ou morrer”

68% dos eleitores são favoráveis ao afastamento da presidente Dilma
68% dos eleitores são favoráveis ao afastamento da presidente Dilma

Com o discurso do governo Dilma de que não há outra saída a não ser partir para a guerra com as palavras de um assessor presidencial, “agora, é matar ou morrer”, a situação em Brasília esquenta principalmente a partir desta semana que começa hoje.

Uma nova pesquisa Datafolha realizada com 2.794 eleitores em 171 municípios de todo o país, mostrou que apoio da população ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) cresceu oito pontos desde fevereiro. Agora, 68% dos eleitores são favoráveis ao seu afastamento pelo Congresso Nacional. Também houve um salto, de 58% para 65%, no total dos que acham que Dilma deveria renunciar à Presidência.

O percentual dos contrários ao impeachment foi de 33% em fevereiro para 27% agora. Segundo pesquisa realizada entre os dias 17 e 18 de março, a reprovação ao governo da petista também retornou ao seu patamar recorde: 69% avaliam sua administração como ruim ou péssima.

A taxa é comparável aos 71% de reprovação alcançados por Dilma em agosto de 2015, o mais alto da série histórica do Datafolha (iniciada em 1989), levando-se em conta a margem de erro de dois pontos percentuais.

A partir de agora o Palácio do Planalto está em estado de alerta permanente para traçar ações que garantam os 171 votos necessários para barrar a abertura do processo de afastamento da petista.

A ideia é “matar” o processo de impeachment o mais rápido possível, caso contrário o governo “morrerá” num prazo máximo de 60 dias e de forma melancólica.

Com informações da Folha de S. Paulo

“Dilma sabia”, diz Delcídio afirmando que Lula é o chefe do esquema…

Delcídio disse à Veja que Lula é quem comandava o esquema de corrupção e Dilma sabia
Delcídio disse à Veja que Lula é quem comandava o esquema de corrupção e Dilma sabia

O senador Delcídio do Amaral participou do maior ato político da história do país. No domingo 13, ele pegou uma moto Harley-Davidson, emprestada do irmão, e rumou para a Avenida Paulista, onde protestou contra a corrupção e o governo do qual já foi líder. Delcídio se juntou à multidão sem tirar o capacete. Temia ser reconhecido e hostilizado. Com medo de ser obrigado pela polícia a remover o disfarce, ficou pouco tempo entre os manifestantes, o suficiente para perceber que tomara a decisão correta ao colaborar para as investigações. “Errei, mas não roubei nem sou corrupto. Posso não ser santo, mas não sou bandido.” Na semana passada, Delcídio conversou com VEJA por mais de três horas. Emocionou-se ao falar da família e ao revisitar as agruras dos três meses de prisão. Licenciado do mandato por questões médicas, destacou o papel de comando de Lula no petrolão, o de Dilma como herdeira e beneficiária do esquema e a trama do governo para tentar obstruir as investigações da Lava-Jato. O ex-líder do governo quer acertar suas contas com a sociedade ajudando as autoridades a unir os poucos e decisivos pontos que ainda faltam para expor todo o enredo do mais audacioso caso de corrupção da história. A seguir, suas principais revelações.

VEJA: Por que delatar o governo do qual o senhor foi líder?

Delcídio: Eu errei ao participar de uma operação destinada a calar uma testemunha, mas errei a mando do Lula. Ele e a presidente Dilma é que tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois. O Lula negociou diretamente com as bancadas as indicações para as diretorias da Petrobras e tinha pleno conhecimento do uso que os partidos faziam das diretorias, principalmente no que diz respeito ao financiamento de campanhas. O Lula comandava o esquema.

VEJA: Qual é o grau de envolvimento da presidente Dilma?

Delcídio: A Dilma herdou e se beneficiou diretamente do esquema, que financiou as campanhas eleitorais dela. A Dilma também sabia de tudo. A diferença é que ela fingia não ter nada a ver com o caso.

VEJA: Lula e Dilma atuam em sintonia para abafar as investigações?

Delcídio: Nem sempre foi assim. O Lula tinha a certeza de que a Dilma e o José Eduardo Cardozo (ex-ministro da Justiça, o atual titular da Advocacia-Geral da União) tinham um acordo cujo objetivo era blindá-la contra as investigações. A condenação dele seria a redenção dela, que poderia, então, posar de defensora intransigente do combate à corrupção. O governo poderia não ir bem em outras frentes, mas ela seria lembrada como a presidente que lutou contra a corrupção.

VEJA: Como o ex-presidente reagia a essa estratégia de Dilma?

Delcídio: Com pragmatismo. O Lula sabia que eu tinha acesso aos servidores da Petrobras e a executivos de empreiteiras que tinham contratos com a estatal. Ele me consultava para saber o que esses personagens ameaçavam contar e os riscos que ele, Lula, enfrentaria nas próximas etapas da investigação. Mas sempre alegava que estava preocupado com a possibilidade de fulano ou beltrano serem alcançados pela Lava-Jato. O Lula queria parecer solidário, mas estava mesmo era cuidando dos próprios interesses. Tanto que me pediu que eu procurasse e acalmasse o Nestor Cerveró, o José Carlos Bumlai e o Renato Duque. Na primeira vez em que o Lula me procurou, eu nem era líder do governo. Foi logo depois da prisão do Paulo Roberto Costa (ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, preso em março de 2014). Ele estava muito preocupado. Sabia do tamanho do Paulo Roberto na operação, da profusão de negócios fechados por ele e do amplo leque de partidos e políticos que ele atendia. O Lula me disse assim: “É bom a gente acompanhar isso aí. Tem muita gente pendurada lá, inclusive do PT”. Na época, ninguém imaginava aonde isso ia chegar.

VEJA: Quem mais ajudava o ex-presidente na Lava-Jato?

Delcídio: O cara da confiança do Lula é o ex-deputado Sigmaringa Seixas (advogado do ex-presidente e da OAS), que participou ativamente da escolha de integrantes da cúpula do Poder Judiciário e tem relação de proximidade com ministros dos tribunais superiores.

VEJA: Quando Lula e Dilma passam a trabalhar juntos contra a Lava-Jato?

Delcídio: A presidente sempre mantinha a visão de que nada tinha a ver com o petrolão. Ela era convencida disso pelo Aloizio Mercadante (o atual ministro da Educação), para quem a investigação só atingiria o governo anterior e a cúpula do Congresso. Para Mercadante, Dilma escaparia ilesa, fortalecida e pronta para imprimir sua marca no país. Lula sabia da influência do Mercadante. Uma vez me disse que, se ele continuasse atrapalhando, revelaria como o ministro se safou do caso dos aloprados (em setembro de 2006, assessores de Mercadante, então candidato ao governo de São Paulo, tentaram comprar um dossiê fajuto contra o tucano José Serra). O Lula me disse uma vez bem assim: “Esse Mercadante… Ele não sabe o que eu fiz para salvar a pele dele”.

VEJA: O que fez a presidente mudar de postura?

Delcídio: O cerco da Lava-­Jato ao Palácio do Planalto. O petrolão financiou a reeleição da Dilma. O ministro Edinho Silva, tesoureiro da campanha em 2014, adotou o achaque como estratégia de arrecadação. Procurava os empresários sempre com o mesmo discurso: “Você está com a gente ou não está? Você quer ou não quer manter seus contratos?”. A extorsão foi mais ostensiva no segundo turno. O Edinho pressionou Ricardo Pessoa, da UTC, José Antunes, da Engevix, e Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez. Acho que Lula e Dilma começaram a ajustar os ponteiros em meados do ano passado. Foi quando surgiu a ideia de nomeá-lo ministro.

Fonte: Veja

Posse de Lula segue suspensa e TSE julga CASSAÇÃO de Dilma

Lula segue fora da Casa Civil e Dilma pode ser cassada
Lula segue fora da Casa Civil e Dilma pode ser cassada

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Antônio Dias Toffoli, determinou nesta quinta-feira (17) que sejam reunidos numa só tramitação as quatro ações que correm na Corte eleitoral que visam cassar os mandatos da presidente Dilma Rousseff (PT) e do vice Michel Temer (PMDB).

Como consequência, o caso passará a tramitar sem segredo de Justiça, que havia sido decretado sobre uma das principais ações. Além disso, ficarão sob a mesma relatoria, a cargo da ministra Maria Thereza de Assis Moura, que é corregedora da Corte e já conduzia duas das ações protocoladas pelo PSDB.

“A reunião dos processos sob a mesma relatoria visa a imprimir maior celeridade e racionalidade à marcha processual, além de evitar decisões conflitantes, privilegiando-se o princípio da segurança jurídica”, escreveu no despacho o presidente do TSE.

Em conjunto, as ações visam a diplomação do senador Aécio Neves (PSDB-MG), segundo colocado na disputa eleitoral de 2014. O partido aponta abuso de poder político e econômico na eleição, acusando a presidente de abastecer sua campanha com propinas desviadas da Petrobras.

Outras acusações apontam realização de gastos acima do limite informado à Justiça Eleitoral; falta de comprovação de parte “significativa” das despesas de campanha; manipulação de indicadores socioeconômicos; pronunciamento na TV e rádio para propaganda; uso dos Correios para postagem indevida de propaganda eleitoral em favor da petista; disseminação de falsos boatos sobre o fim do programa Bolsa Família, em caso de vitória de Aécio.

As defesas de Dilma e Temer já protocolaram defesa numa das peças, alegando não haver provas contra ela e o vice que justifique a cassação. Os advogados dizem que eventuais irregularidades cometidas na campanha não indicam ela seja responsável ou tenha se beneficiado.

“Não basta a mera condição de candidatos à reeleição aos cargos de Presidente e Vice-Presidente da República para torná-los, objetivamente, responsáveis ou beneficiários de qualquer conduta praticada por quem que seja”, diz peça apresentada em fevereiro.

Em relação à suspeita de que a campanha de Dilma teria recebido recursos desviados da Petrobras, por intermédio de doação oficial por empreiteiras envolvidas em corrupção, a defesa diz que foram apontados somente recursos recebidos pelo PT entre 2012 e 2013.

O vice também apresentou defesa, alegando que o pedido do PSDB revela um “sem-número de ilações” decorrentes da “derrota eleitoral”, o que demostra, segundo ele, “mero inconformismo”.

Cabe à relatora das ações, ministra Maria Thereza de Assis Moura, autorizar a coleta de provas, depoimento de testemunhas e manifestações do Ministério Público.

Do G1, Brasília

Saiba quais deputados maranhenses integram a comissão do Impeachment

Deputados Júnior Marreca, João Marcelo e Weverton Rocha são titulares na Comissão de Impeachment
Deputados Júnior Marreca, João Marcelo e Weverton Rocha são titulares na Comissão de Impeachment

Dos deputados maranhenses que compõem a bancada na Câmara Federal em Brasília formada por 18 parlamentares, oito foram escolhidos para integrar a Comissão Especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Porém, apenas três foram escolhidos como titulares: Júnior Marreca (PEN), João Marcelo (PMDB) e Weverton Rocha (PDT).

Os cinco demais escolhidos foram indicados como suplentes da comissão: Alberto Filho (PMDB-MA), Hildo Rocha (PMDB-MA), Pedro Fernandes (PTB-MA), Cleber Verde (PRB-MA), Aluisio Mendes (PTN-MA) e André Fufuca (PP-MA).

A escolha foi feita na tarde desta quinta-feira (17) pelos líderes dos 24 partidos elegeram durante eleição que terminou com 433 votos a favor e apenas 1 contrário na Câmara dos Deputados. A partir de agora a presidente Dilma Rousseff tem dez sessões para apresentar sua defesa.

Com 433 votos, Câmara aprova comissão especial que analisará impeachment

Lista com os integrantes da comissão
Lista com os integrantes da comissão

A Câmara dos Deputados elegeu na tarde desta quinta-feira (17), em votação aberta, os 65 integrantes da comissão especial que primeiro analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

A comissão foi eleita por 433 votos a favor e apenas 1 contrário, do deputado José Airton Cirilo (PT-CE). “Está eleita a comissão especial destinada a dar parecer quanto à denúncia contra a senhora presidente da República”, anunciou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), às 15h48.

Pela proporcionalidade das bancadas, PT e PMDB serão os dois partidos com mais integrantes na comissão, 8 cada. O PSDB terá 6 representantes.

Cunha também anunciou que está convocada para as 19h desta quinta uma sessão em um dos plenários das comissões para a eleição de presidente e relator da comissão do impeachment. Segundo o presidente da Câmara, 45 dias é um “prazo razoável” para concluir toda a tramitação do processo de impeachment na Casa.

A criação da comissão ocorre um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitar, por maioria, embargos apresentados por Cunha contra o julgamento do tribunal sobre rito de impeachment. O peemedebista questionava, entre outros pontos, a proibição de chapa avulsa para a comissão e a eleição por voto aberto.

O STF manteve a exigência de votação aberta e fixou que só poderiam concorrer nomes indicados pelos líderes, sem a possibilidade de uma chapa avulsa entrar na disputa.

O processo

A partir da instalação da comissão especial, a presidente Dilma terá dez sessões do plenário da Câmara para apresentar sua defesa e o colegiado terá cinco sessões depois disso para votar parecer pela continuidade ou não do processo de impeachment.

Cunha disse que tentará fazer sessões todos os dias da semana, inclusive segundas e sextas. Para valer na contagem do prazo, será preciso haver quórum de 51 deputados. Após ser votado na comissão, o parecer sobre o pedido de impeachment segue para o plenário da Câmara, que decide se instaura ou não o processo.

Para a instauração é preciso o voto de 342 deputados. O Senado pode invalidar essa decisão da Câmara. Se avalizar, a presidente da República é afastada por 180 dias, enquanto durar a análise do mérito das acusações contidas no pedido de impeachment.

Do G1, Brasília

ÁUDIO: Flávio Dino manifesta preocupação e fala de GOLPISMO…

Extraído do Twitter
Extraído do Twitter

O governador do Maranhão, Flávio Dino, tem se manifestado através das redes sociais, principalmente na sua página pessoal do Twitter, sobre o embate político que está ocorrendo entre a Justiça brasileira e o Governo Federal.

Dino se mostra bastante preocupado e diz que o momento é grave. Ele não defende a postura do juiz federal Sérgio Moro e diz que grampo das conversas entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff não poderiam ter sido divulgados em nenhuma hipótese como reza Constituição e a Lei 9296/96. Portanto, a ação de Moro foi considerada ilegal e citada pelo governador como “golpista”.

“Fui juiz federal por 12 anos. Presidi Associação Nacional dos Juízes Federais (AJUFE). E por isso lamento atitudes recentes do juiz Moro. O que juiz e a PF declaram: que no momento do grampo sequer havia ordem judicial vigente. Logo, prova ilícita, sem efeito jurídico.” disse Flávio no Twitter.

Ouça o áudio de Flávio Dino abaixo:

https://api.soundcloud.com/tracks/252405679

RÁPIDO NO GATILHO: Juiz defere liminar e suspende posse de Lula

Posse de Lula acaba de ser suspensa
Posse de Lula acaba de ser suspensa

Uma decisão da Justiça Federal de Brasília determinou nesta quinta-feira (17) a suspensão do ato de nomeação do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil do governo Dilma Rousseff.

A decisão é do juiz Itagiba Catta Preta Neto, da Justiça Federal de Brasília, por entender que há indícios de cometimento do crime de responsabilidade.

A nomeação foi publicada em edição extra do “Diário Oficial da União” às 19h de quarta, mesmo dia em que o petista aceitou assumir a pasta, após encontro com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Alvorada.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, informou que o governo federal irá recorrer ainda nesta quinta da decisão que suspendeu a posse.

Segundo ele a inciativa não tem amparo legal, porque outro magistrado já estaria cuidando do processo. “Estamos tomando o conhecimento da situação para poder recorrer ainda hoje”, disse o ministro.

Abaixo a liminar:

Liminar da Justiça
Liminar da Justiça

Da Folha de S. Paulo

GRAMPO REVELA: Dilma nomeou Lula para livrá-lo da prisão; ouça aqui

Conversa entre Lula e Dilma foi grampeada
Conversa entre Lula e Dilma foi grampeada

O juiz federal Sergio Moro incluiu no inquérito que tramita em Curitiba uma conversa telefônica entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff, na qual ela diz que encaminhará a ele o “termo de posse” de ministro.

Dilma diz a Lula que o termo de posse só seria usado “em caso de necessidade”. Ouça aqui:

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/252250361″ params=”color=a83d07&auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false” width=”100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Os investigadores da Lava Jato interpretaram o diálogo como uma tentativa de Dilma de evitar uma eventual prisão de Lula. Se houvesse um mandado do juiz, de acordo com essa interpretação, Lula mostraria o termo de posse como ministro e, em tese ficaria livre da prisão.

O juiz Moro não pode mandar prender ministros porque eles detêm foro privilegiado. O juiz vai encaminhar para o Supremo toda a investigação sobre Lula quando chegar o termo de posse de Lula.

A conversa foi gravada pela Polícia Federal, no inquérito que apura a posse do sítio em Atibaia (SP). A hipótese dos investigadores é que o sítio foi doado a Lula por empresas que tinham contrato com a Petrobras, como a Odebrecht, OAS e José Carlos Bumlai, este amigo do ex-presidente.

A informação foi revelada nesta quarta-feira (16) pelo canal “Globonews”. Segundo a emissora, a gravação ocorreu às 13h32 desta quarta. A Folha não conseguiu até o momento ouvir a presidente Dilma e Lula sobre a conversa telefônica.

O ex-presidente, que está sendo investigado pela Operação Lava Jato, anunciou, na quarta, que assumirá a Casa Civil no lugar de Jaques Wagner, que passa a ser chefe de gabinete de Dilma. Desta maneira, Lula tem foro privilegiado e só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

No dia 4 de março, a Polícia Federal realizou um mandado de busca e apreensão na casa do ex-presidente e no Instituto Lula, além de outros lugares ligados ao petista. Ele foi conduzido coercitivamente pela PF para prestar depoimento, como parte da 24ª fase da Operação Lava Jato.

Folha de S. Paulo

Lula assumirá Casa Civil para escapar da mira de Moro e da cadeia

Lula terá foro privilegiado a partir de agora...
Lula terá foro privilegiado a partir de agora…

O que já era de se esperar e já estava sendo negociado desde a semana passada – mesmo com as negativas de aliados – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumirá a Casa Civil depois de uma longa conversa com a presidente Dilma Rousseff na tarde desta terça-feira (15) e outra na manhã de hoje (16) em Brasília. Ele fica no lugar de Jaques Wagner, que vai para a chefia de gabinete.

A justificativa todos já sabem: o ex-presidente sai do foro do juiz Sérgio Moro e só poderá ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal, o que virou um alívio para o grupo petista.

A decisão já causa turbulência no Congresso Nacional diante dos rumos tomados pela investigação na Lava Jato. Aliás a confusão ainda nem começou.

Mal foi divulgada a notícia, os partidos que fazem oposição à Dilma na Câmara já preparam várias ações populares preventivas para tentar impedir que ele assuma. As ações serão impetradas na primeira instância da Justiça Federal em vários Estados com o argumento jurídico de que a nomeação pode atrapalhar as investigações coordenada por Moro, que ainda terá nessa semana o pedido de prisão preventiva contra Lula.

As ações serão conjuntas a assinadas pelos líderes do DEM, PSDB, Solidariedade, PSB e PPS. O argumento jurídico é o mesmo. A decisão de tentar barrar a posse de Lula em um ministério foi tomada hoje em reunião. Os advogados que assessoram as bancadas de oposição propuseram que as duas primeiras ações sejam protocoladas no Paraná, sede da Lava Jato e onde trabalham juízes amigos do magistrado que podem ser simpáticos à tese. A segunda ação deve ser impetrada na primeira instância do Distrito Federal, onde Lula não encontra juízes simpáticos a ele.

A oposição também estuda outra alternativa: entrar com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) alegando que a nomeação de Lula no cargo de ministro tem como objetivo atrapalhar as investigações da justiça federal do Paraná sobre a tentativa de compra de um apartamento triplex no Guarujá, litoral paulista, por Lula e a família dele.

O certo é que enquanto a oposição não conseguir nada, Lula escapa da mira de Moro e consequentemente da cadeia.

Se Dilma e Lula saírem ilesos, ele será eleito novamente Presidente do Brasil

Este foi o pronunciamento feito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) após ter sido conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para prestar depoimentos na 24ª fase da Operação Lava Jato que investiga um esquema bilionário de  lavagem de dinheiro.

Por conta disso, esta sexta-feira foi bastante tumultuada, principalmente em frente ao prédio onde Lula mora em São Paulo. No local houve confusão entre manifestantes que se mostravam contra e também a favor do ex-presidente.

Diante da ação policial realizada logo nas primeiras horas da manhã quando Lula foi surpreendido pelos federais, o petista mostrou indignação mas mostrou que não está de cabeça baixa e reagiu.

Após o discurso, fica claro que se nada acontecer com o ex-presidente e com Dilma Roussef, Lula acabará sendo eleito em 2018 mais uma vez Presidente do Brasil.