Ex-prefeito Paulo Marinho é preso em Caxias por não pagar pensão alimentícia

Paulo Marinho está preso
Paulo Marinho está preso

O ex-prefeito de Caxias e ex-deputado Federal Paulo Sérgio Fonseca Marinho, de 55 anos foi preso pela Polícia Civil na tarde desta terça-feira (22).

A prisão foi efetuada em cumprimento de mandado expedido pela 4ª Vara da Família de Brasília, que teve como requerente Caio Correa Marinho, filho dele.

O ex-gestor não estaria pagando pensão alimentícia acumulando um débito em torno de R$ 72 mil. Este valor atualizado chegou à casa de R$ 289 mil.

Em contato com a SSP-MA, o Blog obteve a informação que de Paulo Marinho teve a prisão efetuada pelo delegado Jair Paiva Júnior da Delegacia Regional de Caxias, onde encontra-se à disposição da Justiça.

PC EM AÇÃO: Falso médico é preso em hospital de Grajaú

Na foto, Jean (o preso) aparece no canto esquerdo e abaixo. Acima à direita é o documento de outro médico usado pelo falsário
Na foto, Jean (o preso) aparece no canto esquerdo e abaixo. Acima à direita é o documento de outro médico usado pelo falsário

Foi preso ontem (8) pela Polícia Civil na cidade de Grajaú, um homem que se passava por médico no Hospital São Francisco de Assis. Jean Carlos Silva Alves é paraense mas morava em Imperatriz e se passava por Marcos Aurélio Palmas de Carvalho.

Apesar ter dito em depoimento que cursou medicina na Bolívia, o diploma dele ainda não era validado. Segundo a polícia, o CRM que não era dele, estava válido no Maranhão onde já havia trabalhado.

O verdadeiro médico, Marcos Aurélio, nome usado por Jean, é residente no Estado do Espírito Santo. Ele não sabia que o CRM dele estava clonado e sendo usado ilegalmente no município de Grajaú, no Maranhão.

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar ações do falso médico que permanece preso à disposição da Justiça.

Violência sexual cai 26% na Grande São Luís em 2015, aponta SSP

Mulher encontrada morta em um matagal ao lado de Pedrinhas em fevereiro deste ano
Mulher encontrada morta em um matagal ao lado de Pedrinhas em fevereiro deste ano

Relatório de Dados Comparativos Criminais da Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) aponta a redução de 26% na taxa de violência sexual registrada na Grande São Luís entre janeiro e outubro deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2014, foram registrados 354 estupros na Região Metropolitana, número superior aos 261 computados pelo setor de Estatística e Análise Criminal de 2015.

A tendência de queda dos números da violência sexual repetiu-se no interior do Maranhão, onde o índice foi 21% menor que em 2014. O levantamento levou em conta cidades como Imperatriz, Açailândia, Balsas, Codó, Caxias e Timon.

O delegado geral de Polícia Civil do Maranhão, Augusto Barros, explica que a redução dos números da criminalidade é o reflexo de uma série de ações realizadas pela gestão do governador Flávio Dino. “Traçamos planos de enfrentamento da violência contra as mulheres, e um destes é o de treinamento de delegados e policiais para avançar no combate aos crimes em relação ao gênero. As ações da polícia resultam em responsabilização do agressor e em medida protetiva à cidadã”, ressaltou o policial.

A Polícia Civil tem acompanhado com mais proximidade e agilidade o atendimento às demandas das comunidades e também as investigações. Para Barros, a identificação do perfil dos agressores e das vítimas é essencial para o desempenho das ações da polícia. “ A nossa atuação partiu do princípio que grande parte do crime de violência contra a mulher está ligada a questões culturais e sociais. A remoção de mulheres envolvidas com o tráfico também foi um fator que contribuiu para a diminuição do crime.

A redução expressiva no número da violência sexual contra mulheres em São Luís e Região Metropolitana também é resultado de trabalho conjunto que está sendo realizado entre as forças policiais do Estado. A Polícia Militar está com planejamento mais eficiente, distribuindo o efetivo de forma mais adequada e reforçando os monitoramentos em pontos estratégicos e de maiores registros.

Outros números

O balanço do último mês demonstra também que o número de homicídios dolosos em São Luís caiu 18%. De 68 para 56 em outubro de 2015 em relação ao mesmo mês de 2014. Já no interior do estado, o indicador para o mesmo quesito marcou redução de 11%.

Gaeco e PC prendem agiota, ex-prefeito e ex-secretário em nova etapa de operação

Cinco prisões já foram efetuadas hoje
Cinco prisões já foram efetuadas hoje

Foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (18) pela Polícia Civil e Gaeco – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, criado pelo Ministério Público, uma nova etapa da Operação de combate aos crimes de agiotagem no Maranhão.

A ação ainda está em andamento mas já foram presos o médico e ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa, Aldo Araújo Brito (ex-presidente da comissão de licitação de Bacabal), o empresário Eduardo Barros, conhecido como Eduardo DP ou Imperador (também preso em março), o agiota Josival Cavalcante da Silva, mais conhecido como ‘Pacovan’ e a mulher dele, Edna Cavalcante.

Lisboa e Pacovan também já tinham sido presos em maio. O ex-prefeito de Bacabal foi acusado de entregar cheques da prefeitura em branco, chegando a entregar bens patrimoniais, como fazendas em operações escusas.

Já Eduardo DP e a mãe, a ex-prefeita de Dom Pedro, Arlene Barros, são acusados de chefiar um esquema de desfio de dinheiro em prefeituras do interior, onde o empresário seria o mentor de todas as fraudes em licitações usando pelo menos 10 empresas laranjas. Os desvios investigados pela Comissão de Agiotagem ultrapassam a casa de R$ 4 milhões.

Após as prisões, todos foram encaminhados para a sede da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) em São Luís.

CAI MAIS UM: Justiça manda afastar prefeito Edvan Costa de Marajá do Sena

Edvan Matos, prefeito afastado de Marajá do Sena
Edvan Matos, prefeito afastado de Marajá do Sena

A Justiça maranhense decidiu afastar do cargo mais um prefeito do Maranhão por irregularidades. Hoje foi a vez do município de Marajá do Sena. Manoel Edvan Oliveira da Costa terá que deixar o comando da prefeitura por 90 dias, até que seja concluído o inquérito da Polícia Civil que apura crimes de agiotagem no município.

Foi exatamente por suspeitas da participação em esquemas com agiotas que em maio deste ano, o prefeito Edvan Costa acabou sendo preso na Operação Maharaja da Polícia Civil e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público. Na ocasião, Edvan foi conduzido para a sede da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) mas foi liberado.

Porém, de acordo com o delegado Roberto Vagner, presidente da Comissão de Investigação de Agiotagem da Polícia Civil, foram comprovadas irregularidades no fornecimento da merenda escolar em Marajá do Sena. Após a conclusão do inquérito policial, a situação do prefeito, agora afastado, e dos outros envolvidos está nas mãos da Justiça.

Polícia Civil deflagra 'Operação Asclépio' contra fraudes em laudos no IML de SL

Polícia Civil em ação
Polícia Civil em ação

A Polícia Civil por meio da CIDPVAT, SECOR, SEIC E SHC deflagrou na manhã desta quarta feira (7), a ‘Operação Asclépio’ que tem como objetivo investigar fraudes na emissão de laudos no IML de São Luís os quais serviriam para ajuizamento de ações para recebimento de seguro DPVAT, além de crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e material.

Nessa primeira fase pelo menos três médicos são investigados, dos quais em relação a um deles fora cumprido mandado de prisão preventiva: Iomar Ferreira Santos. Já o médico Hugo Djalma Costa Segundo teve decretado o afastamento judicial do cargo, estando proibido de exercer suas funções de médico legista. O nome do terceiro não foi revelado.

Houve ainda o cumprimento de três mandados de busca e apreensão nas residências dos médicos investigados.

Segundo o Delegado Marcio Dominici que preside a investigação por meio da Comissão de Investigação de Fraudes em Seguro DPVAT “trata-se de uma verdadeira organização criminosa com ramificações em todo estado do Maranhão, onde além de servidores públicos, são investigados também advogados e pessoas que trabalham à caça de supostas vítimas de acidentes de trânsito, os chamados despachantes”.

A operação foi denominada de “Asclépio” (do grego) ou Esculápio (do latim) por significar Deus da medicina e da cura, tão habilidoso nas artes médicas que ganhou a reputação de ter trazido pacientes do mundo dos mortos, em virtude disso foi punido e colocado nos céus como a constelação de ofiúco.

As investigações continuam e abrangem todo Estado do Maranhão.

AGORA LASCOU! Justiça determina suspensão da greve dos policiais civis no MA

Policiais Civis do Maranhão haviam anunciado greve por tempo indeterminado
Policiais Civis do Maranhão haviam anunciado greve por tempo indeterminado

O desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), Kleber Carvalho, determinou que o Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Maranhão (Sinpol) suspenda o movimento grevista, deixando de promover, divulgar ou incentivar qualquer medida que impeça ou embarace a regular e contínua prestação do serviço público inerente à atividade policial desempenhada pelos policiais civis do Estado do Maranhão.

De acordo com a decisão, o descumprimento da determinação judicial incide em pena de multa diária de R$ 20 mil, além do desconto salarial dos dias não trabalhados daqueles servidores que continuarem em greve após a declaração da ilegalidade. O Sinpol tem 15 dias para apresentar contestação.

A ação civil pública, com pedido de antecipação de tutela, foi ajuizada pelo Estado do Maranhão, após o Sinpol divulgar nos blogs que a categoria por ele representada pretende paralisar, por tempo indeterminado, as atividades da Polícia Civil do Estado do Maranhão, para reivindicar direitos que entendem possuir, como melhores condições de trabalho, ampliação do efetivo de oficiais da corporação e reestruturação do subsídio com base nas tabelas apresentadas pelo Governo do Estado.

Ao deferir o pedido do Estado, o desembargador Kleber Carvalho ressaltou que, mesmo sendo possível atender a pauta reivindicatória do sindicato, haveria de se considerar que, exercendo carreira de Estado, os policiais civis têm a missão de zelar pela manutenção da ordem e segurança pública.

Sendo assim, afirmou o desembargador, as atividades desenvolvidas por seus filiados são marcadas pela essencialidade e, por isso, não são passíveis de paralisação por meio de greve, uma vez que tal direito seria vedado pela Constituição Federal da República.

Fonte: TJMA

AGORA LASCOU FOI TUDO: moto some de pátio de delegacia e SSP não sabe como!

Diogo Pereira dos Santos proprietário da moto desaparecida. Ao lado, o veículo no pátio da delegacia
Diogo Pereira dos Santos proprietário da moto desaparecida. Ao lado, o veículo no pátio da delegacia

Era só que faltava! A Secretaria de Segurança Pública não consegue explicar o que aconteceu com uma motocicleta apreendida que desapareceu misteriosamente do pátio da delegacia do Cohatrac, onde funciona o Plantão Central de Polícia Civil.

O sumiço foi registrado pelo vigilante Diogo Pereira dos Santos. Ele havia encontrado a moto dele que tinha sido roubada em maio na Cidade Operária. Porém, no início de junho uma guarnição da Polícia Militar apreendeu a motocicleta que estava em poder de dois assaltantes. A dupla e o veículo apreendido foram encaminhados para o plantão do Cohatrac.

No dia seguinte à apreensão, Diogo reconheceu o veículo que acabou sumindo do pátio da delegacia. O pior é que nem o plantonista e nem a Secretaria de Segurança Pública do Estado conseguem explicar o que aconteceu.

O dono da moto desaparecida aguarda providências e enquanto isso fica sem o veículo e sem explicações!

EM PRIMEIRA MÃO: Polícia descobre fábrica de armas no Centro de Santa Inês

Foram encontradas armas e munições dentro de túnel em residência no Centro de Santa Inês
Foram encontradas armas e munições dentro de túnel em residência no Centro de Santa Inês

Uma operação feita pela Polícia Militar e Polícia Civil descobriu uma residência no Centro de Santa Inês que estava com um arsenal de armas  e também munições escondidos em um túnel.

Eram armas com identificação raspada e outras de fabricação caseira. Por enquanto, ainda não foi feita a conferência do total de armas.

A operação conseguiu descobrir a fábrica de armas, mas ninguém foi preso até o momento. O morador da residência, identificado como Jean Jorge Cabral, conseguiu fugir quando a polícia chegou, mas acabou sendo preso ainda no Centro da cidade.

O Blog conversou com o delegado da Regional de Santa Inês, Valter Costa, que informou que a operação foi resultado de uma investigação feita pela Polícia civil após denúncias anônimas. Essa fábrica de armas, para o delegado, deveria “abastecer” criminosos da região.

Diversos tipos de armas foram apreendidas
Diversos tipos de armas foram apreendidas
A operação foi comandada pela Polícia Civil
A operação foi comandada pela Polícia Civil
Essa fábrica de armas deveria “abastecer” criminosos da região
Essa fábrica de armas deveria “abastecer” criminosos da região