PF prende funcionário dos Correios que desviava mercadorias no Maranhão

Foto Divulgação: PF

A Delegacia da Polícia Federal de Imperatriz cumpriu, na quarta-feira (6), na cidade de Campestre, um mandado de busca e apreensão na casa de um funcionário dos Correios suspeito de desviar diversos itens do fluxo postal da empresa pública.

Durante o cumprimento do mandado, foram encontradas na residência do investigado as mercadorias que estavam sendo monitoradas e que deveriam ser entregues aos destinatários no dia 05, além disso, os policiais federais encontraram no lixo diversas notas fiscais em nome de terceiros.

Segundo a investigação, o suspeito praticava o desvio de forma reiterada, o que incluiu a rota postal como uma das mais ofensoras do indicador de extravios do Estado do Maranhão. O suspeito foi preso em flagrante pelo crime do de peculato, art. 312 do Código penal, cuja pena máxima é de 12 anos de prisão.

MP recomenda depoimento especial em crimes contra crianças de até 7 anos

Foto Reprodução

O Ministério Público do Maranhão expediu Recomendação à Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA) de Imperatriz orientando o depoimento especial de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de crime de abuso e exploração sexual.

A Recomendação foi formulada pela titular da 4ª Promotoria de Justiça Criminal, Samira Mercês dos Santos, e remetida ao delegado titular da DPCA, Fairlano Aires Azevêdo. O documento foi motivado por conta de informações enviadas em diversos ofícios pelo próprio delegado, que noticiou grande número de inquéritos com dificuldades para conclusão das investigações nos prazos determinados pelo Código de Processo Penal por falta de materialidade.

Na Recomendação, a promotora de justiça explica que o depoimento especial deve ser realizado quando houver indícios de materialidade e autoria de crimes praticados contra crianças de até sete anos de idade.

A representante ministerial reforça ainda que se faz necessária a comunicação e ciência do fato ao Ministério Público, especialmente à 4ª Promotoria de Justiça Criminal, responsável pela persecução penal de crimes contra criança e adolescente para acompanhamento dos prazos e diligências do inquérito policial.

A promotora de justiça esclarece também que a 4ª Promotoria de Justiça Criminal requisita medidas cautelares de prisão e antecipação da produção de provas, principalmente nos casos em que os investigados fogem do local do delito com o intuito de dificultar a investigação dos crimes.

Temos vários problemas com os inquéritos policiais, tais como atraso do trâmite investigativo, da comunicação ao judiciário, ausência de pedidos de antecipação de provas etc. O depoimento especial é imprescindível para esclarecer os fatos. A ausência da pronta oitiva da vítima traz grandes dificuldades de obtenção da prova porque o lapso temporal também é fator de vitimização secundária e deve ser evitado”, destaca a representante do Ministério Público, Samira Mercês.

A Delegacia tem quinze dias para informar sobre as providências adotadas para o cumprimento do recomendado.

Depoimento especial

A metodologia do Depoimento Especial consiste em levar a criança vítima ou testemunha de abuso para uma sala especial, mais acolhedora, garantindo sua segurança e dignidade. A metodologia se baseia em escuta protegida e menos invasiva.

Neste espaço deve permanecer somente a criança e o entrevistador, que poderá ser um assistente social ou um psicólogo. Este profissional deverá ser capacitado em entrevista forense com crianças e adolescentes, possibilitando o relato livre e adequando as perguntas à linguagem infanto-juvenil.

PF: Estrangeiras são presas em flagrante com dólares falsos em Imperatriz

Foto Divulgação: Polícia Federal

A Polícia Federal, em Imperatriz, prendeu em flagrante, na tarde desta quarta-feira (22), duas mulheres, que não tiveram nomes divulgados, pelo crime de moeda falsa após trabalho de inteligência e acompanhamento feito a partir de denúncia anônima registrada no plantão policial da Unidade.

Segundo restou apurado, os Policiais Federais do Núcleo de Operações da unidade, conseguiram identificar e prender as estrangeiras no momento que estas negociavam a venda e a troca das cédulas de dólares falsificadas a comerciante da região.

Com elas, a PF apreendeu US$ 2.500 mil em cédulas falsas.

Após cumpridas as formalidades de praxe, as duas mulheres foram detidas e encontram-se à disposição da Justiça Federal.

Operação Apaches: PF cumpre mandados em Imperatriz contra fraudes via internet

Operação Apaches, da Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou, em seis Estados, incluindo o Maranhão, nesta quarta-feira (1º) a Operação Apaches, com o objetivo de combater a atuação de crackers, suspeitos do cometimento de diversas fraudes via internet contra instituições financeiras e estabelecimentos comerciais.

A investigação é um desdobramento das operações Cracker e Backdoor, deflagradas pela Polícia Federal no Tocantins nos anos de 2017 e 2018, no intuito de reprimir crimes cibernéticos no Estado.

Mais de 40 policiais federais dão cumprimento a 11 mandados busca e apreensão, todos expedidos pela 2º Vara Estadual de Augustinópolis/TO, nas cidades de Praia Norte/TO, Tocantinópolis/TO, Itaguatins/TO, Imperatriz/MA, Marabá/PA, Barra do Garças/MT, Goiânia/GO, Aparecida de Goiânia/GO, Porangatu/GO, Navegantes/SC.

Os criminosos se utilizavam de dados de cartões de crédito de terceiros, muitos capturados com a propagação de anúncios falsos em redes sociais, direcionando o usuário a páginas falsas, induzindo-os ao erro e capturando seus dados.

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de associação criminosa e estelionato, cujas penas, se somadas, podem chegar a 8 anos de reclusão.

O nome da Operação – Apaches – faz referência a uma tribo de nativos americanas conhecidos pela sua grande resistência em combate e pela superioridade de suas estratégias de guerra.

Destaca-se que, em razão da pandemia causada pela COVID-19, foi adotada logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPI’s a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados.

Assembleia decreta luto oficial de 3 dias pelo falecimento de Manoel da Conceição

Othelino Neto pediu um minuto de silêncio pelo falecimento do líder camponês Manoel da Conceição

A Assembleia Legislativa do Maranhão decretou luto oficial de três dias pelo falecimento do líder camponês e fundador do Partido dos Trabalhadores (PT), Manoel da Conceição, aos 86 anos, em Imperatriz. Na sessão plenária desta quarta-feira (18), o chefe do Parlamento Estadual, deputado Othelino Neto (PCdoB), também solicitou um minuto de silêncio em homenagem ao maranhense, considerado símbolo da luta dos trabalhadores do campo e da resistência ao Regime Militar no Brasil.

Othelino destacou que Manoel da Conceição foi um dos valentes brasileiros que ousaram enfrentar os momentos de exceção ao arbítrio vivenciados no país, além de ser um dos maiores líderes da luta dos camponeses no Maranhão.

Hoje, tivemos a perda desse grande brasileiro e maranhense, que faz parte da história de resistência do nosso país. Um grande líder que tem muito a ver com a trajetória de diversos brasileiros que pagaram quase com a própria vida por resistirem ao Regime Militar”, disse.

O parlamentar frisou, ainda, que o legado de luta e coragem deixado por Manoel da Conceição não deve ser esquecido. “Homens como ele partem para outro patamar, mas deixam viva a história que construíram. Por isso, merece todas as nossas homenagens”, concluiu Othelino Neto.

Morre o jornalista e blogueiro Rui Porão, vítima da Covid-19

Rui Porão

Faleceu neste domingo (8) em Brasília o jornalista e blogueiro de Imperatriz, Rui Porão.

Ele estava internado há dias em um hospital na capital federal e não resistiu às complicações da doença.

O Blog lamenta a perda e manifesta pesar.

‘Operação Alferes’: policiais são presos por tentativa de homicídio em Grajaú

Foto Divulgação

Uma operação foi deflagrada na tarde de ontem (29), pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) em conjunto com a Polícia Civil do Maranhão afim de coletar elementos com o fim de agregar a investigação relacionada a crime de tentativa de homicídio ocorrido na cidade de Grajaú. Como resultado da operação batizada de “Alferes”, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, e três mandados de prisão temporária nas cidades de Grajaú e Imperatriz.

No decorrer da operação foram presos temporariamente dois policiais militares do Maranhão e um outro indivíduo, todos suspeitos de participação no crime. Na ocasião, foram apreendidas quatro armas de fogo sem o devido registro e permissão, o que ocasionou a lavratura de três autos de prisão em flagrante pelo crime de posse ilegal de arma de fogo, além de outros objetos relevantes para a investigação, tais como celulares e documentos diversos.

A “Operação Alferes” foi realizada em conjunto pelo Ministério Público do Maranhão, através da Promotoria de Grajaú e GAECO, Polícia Civil do Maranhão, através dos Grupos de Pronto Emprego das cidades de Imperatriz, Timon e Caxias, bem como equipe da Senarc de Timon. Além do Maranhão, a operação também foi deflagrada no Estado do Paraná.

Preso por matar médico, PM é acusado de atropelar criança que também morreu em Imperatriz

Policial Adonias Sadda, preso por homicídio

A redação do Imperatriz Online recebeu o apelo de uma mulher que acusa o Policial Militar Adonias Sadda que ter atropelado e matado o filho, Iego de 4 anos, em Imperatriz no ano de 2015.

O PM matou, com dois tiros à queima roupa durante uma festa, o médico recém formado Bruno Calaça, de 24 anos.

Confira a seguir a denúncia publicada no Instagram.

PM que matou médico em bar em Imperatriz é preso

Foto Reprodução

Foi preso na tarde de hoje (27), o policial militar Adonias Sadda. Ele atirou e matou o jovem médico Bruno Calaça Barbosa, de 24 anos, na madrugada desta última segunda-feira (26) durante uma festa no Del Lagoa, bar/boate localizado na Avenida Beira Rio, em Imperatriz.

A prisão foi confirmada pelo Secretário de Segurança Pública do Estado do Maranhão, Jefferson Portela.