Agiotagem: ‘Operação El Berite’ prende ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa

Ex-prefeito Raimundo Lisboa sendo preso
Ex-prefeito Raimundo Lisboa sendo preso

A Polícia Civil realizou nas primeiras horas desta terça-feira (19) mais uma ação em combate a agiotagem. A Operação é denominada de ‘El Berite e está sob o comando da Superintendência Estadual de Investigações Criminais, a Seic.

O ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa, foi preso durante a madrugada. Também foram detidos: Manoel Moura Macedo, o Neninho (ex-vereador e ex-presidente da Câmara); Francisco de Jesus Silva Soares; o construtor Ezequiel Farias e Aldo Araújo Brito (ex-presidente da comissão de licitação de Bacabal). A ex-secretaria de Cultura Maria do Carmo Xavier também foi detida.

Ao todo foram efetuados 5 mandados de prisão temporária e 1 mandado de condução coercitiva. A operação segue em andamento.

O ex-prefeito e médico Lisboa, em seus negócios com agiotas, entregava cheques da prefeitura em branco, chegando a entregar bens patrimoniais, como fazendas em operações escusas.

Os detidos serão encaminhados e prestarão depoimentos à Seic em São Luís.

Aguarde a qualquer momento novas informações.

Após denúncias graves do Blog, Secretária de Saúde de Bacabal pede pra sair!

Márcia Regina Souza Batista não aguentou a pressão e deixou o cargo
Márcia Regina Souza Batista não aguentou a pressão e deixou o cargo

A forma como vem sendo mal administrado o Hospital Municipal Materno Infantil de Bacabal, gerou inúmeras denúncias graves mostrando registros de mortes de recém-nascidos por conta de negligência e demora no atendimento na referida unidade de saúde.

Com a Saúde Pública Municipal pedindo socorro, a Secretária responsável pela pasta, Márcia Regina Souza Batista, não suportou tamanha pressão e após denúncias publicadas no Blog decidiu abandonar o cargo.

Dois relatos de pais que perderam seus filhos por conta de falhas no Materno Infantil foram mostrados aqui. (Reveja-as)

Márcia era secretária adjunta e havia assumido a Secretaria de Saúde de Bacabal em março de 2013 após a saída do médico cardiologista Hidalgo Leda.

Até o momento o prefeito Zé Alberto (PMDB), que nos últimos meses transformou a cidade em um celeiro de problemas, não se manifestou quanto a quem assumirá a pasta. Mas ele deve passar o ‘pepino’ da Saúde para um outro pobre coitado que deve fazer parte do quadro funcional do município.

É só aguardar!

MEDICINA DE MENTIRA: Mortes de bebês em maternidades do Maranhão não são exclusivas em Caxias

Túmulos de recém-nascidos em Caxias; mães dessoladas com a morte dos filhos
Túmulos de recém-nascidos em Caxias; mães dessoladas com a morte dos filhos

Engana-se quem pensa que os casos de mortes de crianças recém-nascidas ocorrem apenas na cidade de Caxias, na região dos Cocais. Por lá os registros são maiores, mas em outras localidades do Maranhão muitas mães também choram e lamentam a perda de seus filhos.

As alegações são sempre as mesmas, no que se refere aos cuidados da parturiente, que são apontadas pelos médicos por não realizarem desde cedo um pré-natal adequado. Os gestores políticos responsabilizam  o Governo Federal pela falta de repasse, mas sabe-se que a história não é bem essa.

Inúmeras ações do Ministério Público Estadual contra gestores municipais confirmam que grande parte do dinheiro que deveria ser aplicado no setor de Saúde Pública é desviado. No final, quem paga a conta, como sempre é a população.

Ontem, a TV Record mostrou a realidade assustadora na Maternidade Carmosina Coutinho, mas em tantas outras espalhadas pelo Maranhão, a medicina aplicada também faz vítimas fatais.

Um exemplo disso, foi um caso recentemente denunciado aqui no Blog do Minard. Mostramos um vídeo em que um pai conta a sua saga em tentar salvar os filhos gêmeos que acabaram morrendo por não terem sido atendidos no Hospital Materno Infantil de Bacabal.

gemeosDesesperado, ele e a esposa grávida tiveram que buscar ajuda em cidades vizinhas e somente 24 hs depois conseguiram atendimento hospitalar, mas já era tarde e os recém-nascidos não resistiram. (Reveja)

Este é mais um caso fatal que ilustra a falta de competência dos nossos médicos, não em sua totalidade, mas a maioria dos que prestam atendimento no interior do Estado.

E de quem é a culpa então? Dos gestores públicos que os contratam ou do Conselho Regional de Medicina que não se manifesta e nem consegue explicar o por que de tantas falhas?

Enquanto não forem responsabilizados, quer sejam políticos, gestores, administradores ou médicos, a mortalidade hospitalar de recém-nascidos no Maranhão vai continuar sendo destaque nacional para o desespero de muitos pais.

Mensagem do Des. Guerreiro Júnior pelos 95 anos de emancipação de Bacabal

desNão poderia homenagear a minha querida e amada Bacabal, ao tempo em que completa 95 anos de sua emancipação política, sem que antes homenageei os nossos patrícios portugueses, um deles o nosso herói fundador. Daí justificar a minha primeira monção a Portugal, aliás, berço dos meus ancestrais, em particular, do meu avô paterno.

Portugal, pequenino país da Península Ibérica, situado na parte ocidental, ilhado entre o mar e os reinos de Castela e Leon, foi uma das nações que abriu caminho à descoberta e a exploração da América. Privilegiado por uma rica rede hidrográfica caudal, nascida em Espanha, como os rios Minho, Douro, Guadiana e Tejo, de águas límpidas e cristalinas, com importantes ancoradouros, mormente as fozes dos rios Douro e Tejo, que garantem à nação portuguesa importante plataforma natural para a sua existência vocacionada ao comércio atlântico e ultramarino.

Uma das mais antigas nações da Europa, existindo como país aproximadamente há oito séculos, Portugal, sujeitou-se às mais alucinadas e regulares invasões, que moldaram o espírito da cultura portuguesa, enriquecida com as viagens dos grandes descobridores, que contribuíram para que o país ficasse mais aberto às influências orientais e à revelação da riqueza brasileira, em joias e ouro, influenciando a utilização da chama barroca na decoração dos palácios, das igrejas, das catedrais, dos castelos dos nobres, enfim, de tudo quanto realizado, à época, pela coroa.

Registram alguns dos historiadores, que Portugal começa pelos fins do Século XI, altura em que a Galiza – reino, que tal como os de Oviedo, Navarra e Castela, se formou com a reação cristã dos visigodos contra os muçulmanos – se encontra dividida em diversos condados, entre os quais o Condado Portucalense, cujo nome lhe vinha da sua principal povoação (Portucale) e que ficava próximo da foz do rio Douro, mais ou menos onde é hoje a cidade do Porto; que o Conde D. Henrique de Borgonha, no ano de 1095, após vencer o combate com os muçulmanos que ocupavam grande parte da península ibérica, tornara-se o comandante de Condado Portucalense, ao receber de D. Afonso de Leão e Castela tal título de nobreza pela recompensa e bravura dos seus feitos de armas.

Não obstante a bela e empolgante história de Portugal, detentora de um vasto império de rotas que faziam de Lisboa o mais importante comércio europeu, de maior expansão ultramarina, de economia com vocação agrícola e pecuária de exportação, fundamentalmente cerealífero, destacando-se pelo cultivo de trigo e milho, além de importantes produções de azeite, legumes e hortaliças, cortiça, vinhos e calçados, não esquecendo da vasta costa marítima e da abundância de peixes nas águas que rodeiam o país, que favorecem o desenvolvimento da indústria piscatória de sardinhas, anchovas, e o próprio bacalhau do Atlântico Norte, que seria o bastante para dimensionar o valor português, embora a nossa dimensão histórica, no momento, se concentre a meados do século XVIII.

Com a ascensão ao trono português do Rei D. José I, foi escolhido como Primeiro Ministro, Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal. Devido à personalidade reformadora do novo monarca, instalou-se, no reino, o “despotismo esclarecido”, onde os Príncipes passaram a ter poderes absolutos para atenderem as necessidades dos seus súditos, tendo o novo Rei dizimado o prestígio até então vigente do clero e da nobreza, pondo termo ao Tribunal da Inquisição, que deliberava, sem direito de defesa, fossem queimados vivos todos quantos condenados.

A dimensão reformadora implantada pelo monarca visava estabelecer maior controle sobre as terras conquistadas. Assim, aos olhos do Marquês de Pombal, criou-se a Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, onde o alto burgo e a desprestigiada nobreza resolveram associar-se. No Maranhão, descia pelas veias correntes dos rios Itapecuru e Mearim as lavouras do arroz da Carolina, do algodão e da cana-de-açúcar, que eram desmanchadas nas moendas dos grandes senhores de engenhos ao manejo da força do trabalho escravo, cujos negros africanos, traficados de Angola, aportavam no Rio de Janeiro, onde eram leiloados aos seus senhores. A macro visão do Marquês de Pombal levou o rei de Portugal a criar a Junta de Justiça, oportunidade em que o desenvolvimento econômico e cultural abriu um vasto leque de realizações especialmente para o Maranhão.

Nessa época, em Portugal, no distrito de Braga, viviam dois irmãos: Antonio Vieira da Silva e Francisco Antonio Vieira da Silva. Impressionados com as notícias divulgadas na Corte sobre as riquezas do Brasil, a maior das Colônias já conquistadas, resolveram investir na Companhia idealizada pelo Marquês de Pombal. Francisco Antonio Vieira da Silva torna-se sócio fundador da Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, enquanto seu irmão Antonio Vieira da Silva, casado com sua prima dona Josefa Maria, pais do Capitão José Vieira da Silva, a convite do Marquês de Pombal, veio para o Maranhão administrar, com todos os poderes, a Companhia de Comércio do Grão-Pará e Maranhão, tornando-se o patriarca de uma plêiade de homens ilustres.

O rico burguês, Francisco Vieira da Silva, assíduo frequentador da corte de D. José I, nasceu na vila de Guimarães, freguesia de São Sebastião, arcebispado de Braga, no dia 28 de maio de 1720; casou-se com dona Anna Encarnação Monção Ribeiro no distrito de Portalegre, em 30 de junho de 1745, nascendo dessa união os filhos Águeda Maria Tereza, Anna e Domingos Antonio Vieira da Silva.

Águeda Maria Tereza Vieira da Silva, casou-se em Portugal com Lourenço Silva Abreu em 1763, de cuja união houveram duas filhas: Águeda Silva Abreu e Maria Ursula da Silva Abreu, esta, tempos depois, casou-se com seu tio Domingos Antonio Vieira da Silva, cujo neto, Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva, bisneto de Francisco Vieira da Silva, veio para o Maranhão a convite do Comendador Luis Antonio Vieira da Silva, à época, autoridade de grande influência na Corte e principalmente no governo da Província. Aqui, exatamente, inicia-se a história de Bacabal, quando traço a ascendência do fundador desta cidade.

O Comendador Luis Antonio Vieira da Silva, pelos seus feitos de bravura e pela intima amizade que tinha com o monarca e principalmente com o Marquês de Pombal foi presenteado com significativa quantidade de terras, cujos mapas demarcavam a propriedade de vale a vale, mas somente se utilizava daquelas que já haviam sido beneficiadas e em plena produção. Era exatamente a localidade onde hoje se encontra instalado o Município de São Luis Gonzaga.

Contou-me certa feita o historiador Fabrício Gonçalves de Moraes – pessoa bastante conhecida no vizinho município de São Luis Gonzaga pelos seus conhecimentos históricos – que a rica mancha de terras destinadas ao Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva, eram bem mais férteis do que aquelas que ficavam à margem direita do rio Mearim, revelando-me, ao folhear seus escritos históricos, a dificuldade que teve o Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva de se relacionar, logo quando aqui se instalou, com os nativos que habitavam a região.

O certo é que o nosso bravo herói, logo que chegou ao Brasil tinha a incumbência de desenvolver e colonizar as terras da margem esquerda do rio Mearim, aliás, motivo de deixar a sua pátria e vir para o Maranhão. Acompanhado por um tenente coronel da brigada e de outros tantos serviçais do Comendador Luís Antonio, o Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva subiu o velho Isó navegando, por dias, em dois batelões, um dos quais carregado de suprimentos. Aportou, então, numa baixa de terra firme, rudimentar, onde um estreito caminho se prolongava em aclive ao topo de uma pequena área plana, onde não morava ninguém e onde o mato entrelaçado encobria a visão de sua amplitude. Decidiu se instalar nesse local, pois sabia que alguém, a qualquer tempo, retornaria àquele lugar. Algumas semanas depois, confrontou-se com os índios, resultando dessa disputa a morte do tenente coronel, pessoa da mais alta estima e confiança do Comendador Luis Antonio Vieira da Silva.

Aborrecido com a morte desse seu antigo e leal escudeiro, o Comendador resolveu desistir daquelas terras, tendo-as doado para Antonio Lourenço Vieira da Silva, pedindo-lhe, contudo, que fundasse uma colônia indígena para o que dispunha de homens preparados e recursos financeiros da coroa para catequizar os nativos. O Capitão aceitou a proposta do Comendador, tendo este se empenhado para que o Presidente da Província, Dr. Eduardo Olímpio Machado, baixasse a Portaria de 11 de abril de 1854, autorizando o Capitão Antonio Lourenço Vieira da Silva a fundar a Colônia Indígena Leopoldina, trazendo consigo diversas pessoas, dentre tantas, vários missionários religiosos.

Não foi difícil, com o auxílio dessas pessoas, rapidamente conquistar a confiança das três tribos indígenas que habitavam essa parte do rio. Estabelecida a relação de confiança entre o Capitão e os índios Timbiras, Crenzés e os Pobzés, a Colônia Leopoldina passou a produzir arroz, feijão, milho, mandioca e algodão, inicialmente para atender a sua própria necessidade, posteriormente pelo significativo aumento da produção fez-se necessário a venda para o mercado distribuidor, localizado na sede da Província. Subindo ainda mais o Mearim, observou o Capitão Antonio Lourenço Vieira da Silva que toda aquela região, tanto de um lado quanto de outro do rio, era ornamentada por frondosas palmeiras, de caule anelado, de folhas verdes e paralelas, de flores branco amarelado e com frutos carnosos de tom rosa escuro, bastante oleoso a que os índios chamavam de wa’kawa – bacaba, bacabinha, bacau, coqueiro-bacaba e macaba –, devido as mais diversas variedades, de onde os índios Timbiras, Crenzés e Pobzés, extraiam o vinho (que na verdade era suco), faziam doce e azeite e se alimentavam do palmito. Do tronco e folhas construíam suas casas, cortavam a lenha e dos talos faziam lanças e bengalas.

O nome científico da bacaba, que registra três espécies tem-se como: 1ª Oenocarpus Circumtextus; 2ª Oenocarpus Multicaulis e 3ª Oenocarpus Tarampabo.

Nessa época, o algodão branqueou o pequenino vale do Isó, como era conhecido pelos índios o pardacento rio Mearim. A Colônia Indígena Leopoldina se tornou a mais próspera de todas as colônias da Província, devido à intensa produção do arroz, feijão, milho, mandioca e outras lavouras de vazante, atraindo, com a alta fertilidade das terras, a convergência imigratória de lavradores, fazendo com que se expandissem as áreas de produção. Todavia, em fevereiro de 1878, portanto, logo no início do ano, a Colônia Indígena Leopoldina foi significativamente afetada por uma epidemia de malária, que dizimou muitos dos índios que a ela integravam e os que sobreviveram não mais tiveram o interesse de permanecer nas terras, refugiando-se, ao que se sabe, em diversas outras regiões deste Estado, motivo pelo qual o Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva foi obrigado a acabar com a Colônia Leopoldina, passando a chamar o local de Fazenda Bacabal.

Contudo, restaram centenas de trabalhadores rurais, muitos dos quais apesar de atingidos pela peste, permaneceram morando nos arredores da casa sede da fazenda. O Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva continuou a desenvolver o trabalho lavoureiro, ao que estabelecia parceria agora com os lavradores, que continuavam a imigrar para aquele local. Passou, também, a adquirir os produtos agrícolas do alto Mearim transportados nos velhos batelões. Fez com que o porto da fazenda fosse parada obrigatória de todos os lavradores que laboravam rio acima. Adquiriu suas próprias embarcações e após beneficiar os produtos agrícolas, principalmente o babaçu, vendia-os no mercado da Capital da Província.

O progresso da Fazenda Bacabal foi de tal sorte que despertou interesse do Governo, a ponto de instalar, em abril de 1885, na sede da Fazenda, um posto de postagem do correio que era utilizado como elo de comunicação, através da fluvial navegação de cabotagem. Assim, o Capitão Lourenço Antonio Vieira da Silva, extremamente rico, cansado de viver isolado e principalmente por nutrir uma saudade incontrolável de Guimarães e de sua gente, em fevereiro de 1888, vendeu a fazenda para o Sr. Raimundo Alves de Abreu, retornando para Portugal.

Com a aquisição da propriedade por Raimundo Alves de Abreu, a Fazenda Bacabal passou a ser chamada de “Sítio dos Abreus”, que, do mesmo modo e na mesma intensidade continuou a prosperar, sendo cada vez maior o fluxo de lavradores imigrantes que advinham de outras cidades do Nordeste. O Sítio dos Abreus inaugurou o ciclo da pecuária na região, em agosto do ano de 1905, quando, então, os lavradores foram obrigados a plantar capim nas quadras de terras que utilizavam na lavoura, o que permitiu um maior crescimento para o povoado.

Em 17 de abril de 1920, através da Lei n° 932, outorgada pelo então Governador do Estado, Dr. Urbano Santos da Costa Araújo, o povoado “Sítio dos Abreus” foi elevado à categoria de Vila, passando a ser chamado de “Bacabal dos Abreus”, sendo que a 7 de setembro do mesmo ano (1920), instalou-se, oficialmente, o Município de Bacabal, com seu território desmembrado do Município de São Luís Gonzaga do Maranhão, à época, com 9.500 habitantes em todo seu território.

Finalmente, através do Decreto-lei n° 159, de 06 de dezembro de 1938, do Governador Paulo Ramos, Bacabal passou à categoria de cidade, tendo sido administrada até agora pelos seguintes prefeitos: Jorge José de Mendonça, Manuel Guimarães, Jorge José de Mendonça, Raimundo Teles de Menezes, Odorico Miranda Leal, Pedro José de Sousa, Joaquim Ribeiro, Manoel Campos Sousa, Ranulfo Fernandes, José Maria Sousa, Ranulfo Fernandes, Vicente Medeiros, Raimundo Marques, Belarmino Freire, Lauro Oliveira, Raimundo Assenço Costa Ferreira, Raimundo Santos, Francisco das Chagas Araújo, Euzébio Martins Trinta, Lino Feitosa, Joaquim Paulo Gonçalves, Aristarço Martins, Alceu Pereira Martins, Euzébio Martins Trinta, Francisco Borges de Matos, Mariano José Couto, Frederico Leda, José Everton de Abreu, Raimundo Trindade Vale, Frederico Leda, João Gomes Vidal, Antonio Pereira da Silva Neto, Benedito de Carvalho Lago, Carlos Alberto Dias Sardinha, Manoel Quadros de Oliveira, Francisco Coelho Dias, Juarez Alves de Almeida, José de Sousa e Silva Filho, Raimunda Ramos Loiola, João Alberto de Sousa, Jurandir Ferro do Lago, Jocimar Alves de Sousa, José Vieira Lins, José Vieira Lins, Raimundo Nonato Lisboa, Raimundo Nonato Lisboa e José Alberto Veloso.

Não posso deixar de registrar o fato da minha querida amiga, Raimunda Ramos Loiola, de saudosa memória, ter sido, até então, a única mulher Prefeita do Município de Bacabal, oportunidade em que homenageio carinhosamente todas as mulheres bacabalenses. Também ressalto a figura ilustre e carismática de um jovem médico cardiologista, meu estimado e particular amigo Dr. Hildalgo Leda, que Deus o levou para servir na eternidade, como tantos outros notáveis que também paginaram de alguma forma a nossa história contemporânea: Dr. Coelho Dias, Pedro Brito, Dr. Juarez Almeida, Dr. Luis Fernando, Otávio Pinho, Dr. Chico Dias, Dr. Antonio Augusto, Nely Berrêdo, Evelucia, Maria Rocha, Raimundo Reis, Cotinha, Cacilda, Conceição, Walter Marques, Dr. Antonio, Dr. Deusimar, Dr. Ribamar, Dr. Bete Lago, Raimundo Sérgio, Eduardo Leão, Bavepel, Rosalino, Weligton Nogueira, Pedro Santos, Atanásio, Arquimedes, João Enfermeiro, Maneco, Dicoendo e outras extraordinárias personagens.

Quanto a mim, não foi difícil o meu relacionamento com o povo, a quem sempre dediquei atenção e respeito: ricos e pobres, brancos e negros, enfim, a mistura das raças que caracteriza a miscigenação vertical do bacabalense. Aqui, tal é a minha raiz que divido o exercício pleno da judicatura com a poesia e com a música. Tive a honra de conhecer o “Velho Tchaca” dedilhando nas madrugadas frias seu sonoro violão, nas serestas iluminadas e nas cantorias que todos fazíamos pelas ruas desta terra e que ainda hoje galhofamos com as lembranças de outrora. Era a liberdade de um homem envolvido com a arte, mas plenamente responsável com os deveres do cargo, sacerdócio que abracei espelhado na fantástica carreira do meu pai, homem até hoje respeitado pelo porte altivo e pela honestidade com que exerceu a magistratura.

Naquela época, década de oitenta, formava-se em Bacabal uma plêiade de artistas, cantores e compositores de escol, que ainda hoje vivem na noite a levar alegria e descontração através da melodia suave que aprenderam nas serestas das noites enluaradas da Graça Rocha, onde eu e o nosso Chicão, de saudosa lembrança, principiávamos a festa: eu, cantando “José”, Chicão entoando “Yesterday”. Daí em diante seguiam outros eméritos personagens da história contemporânea de Bacabal, citando como referência, “Zequinha Leite”, de saudosa memória, Almiro Paiva, Antonio da Brahma, Cleuton, Lisboa, Elígio Almeida, Jeferson Santos, Antonio Carlos Lago, Jean, Agnelo, Junior do SAAE, Fátima, Zilda, Zeile, Soninha, Ernildes, Ana Maria, E assim passávamos a madrugada, comendo paçoca, carne seca e tantas outras iguarias feitas por Graça Rocha, mulher das mais extraordinárias que conheci e que ainda hoje tenho a honrar da sua belíssima companhia. E por falar em musica é importante viajar nesse mundo de sonho e poesia, buscando os acordes do Sr. Almir Garcês, nosso Açaí, criador da primeira escola de música bacabalense e da renomada “Santa Cecília”, harmoniosa nas notas de Dionésio, José Carlos, Aldemir, Manoel Marinho, Antonio Monteiro e Outros, entoados pela voz de Roseli, Antonio Monteiro, Luis Francisco Ferreira, Simão Lopes, Antonio Lado, Agnaldo Frazão, Claudionor Carvalho, Jacinto, Tchaca e Raimundo, isso sem contar com a percussão e repercussão do nosso “Boi da Lua”, de “Papete”, orgulho bacabalense.

Oportuno o destaque aos valores da música popular bacabalense: “Zé Lopes, Perboire Ribeiro, Marcos Boa Fé, Marcos Maranhão, Assis Viola, Raimundinho, Zeneide Miranda, Emanuel de Jesus, Francivaldo, Josa, Davi Farai, Josué, Duvâneo, Welligton, Carol, Dayse, Natália Nunes, Júnior Manga Rosa, Thiago Santos, Jessica, Luana Magalhães, Chico da Buzina, além das magníficas bandas instrumentais Los Magos, Popnejo, Swing Mania, Beijo Quente, Letícia e Ruan, Badalados, Banda da Fofa e muitas outras. Na música religiosa: Adonai, Ludmila Amaral, Lilian Brasil, Kezia Raposo, Andressa Sipauba, Edivânia e Miqueias. Finalmente, os grupos de pagode: Compromisso, Marossamba, Anekssamba, Sambinha e Companhia e Guerreiros do Samba, homenagem que me prestou um valoroso grupo de jovens artistas comandados pelo meu queridíssimo amigo Masa.

Esta é a histórica cidade de Bacabal, que somente se ressente da falta do Beção Maravilha – o nosso BEC – a preencher o vazio esportivo ao toque cadenciado da bola no gramado do Estádio Municipal José Nery Corrêa – O Correão. Rendo finalmente minhas homenagens à memória dos magníficos e dedicados mestres Alice Mendes, José Bonifácio, Safira, Belinha, Gertrudes, Camélia, Elisa, Nadir, Juarez e tantos outros ilustrados e aguerridos professores.

Não poderia finalizar esta homenagem sem destacar a lembrança da Dra. Laura Vasconcelos, primeira médica do município, cuja memória eternizou-se no primeiro hospital público de Bacabal, assim como cultuar as intercessões milagrosas da lendária Edite.

Parabéns minha adorada e amada Bacabal pelos teus 95 anos de glória.

Des. Antônio Guerreiro Júnior

Ministério Público aciona prefeito de Bacabal por promoção pessoal

zeO Ministério Público do Maranhão (MP), por meio da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Bacabal, ajuizou, em 14 de abril, Ação Civil Pública Inibitória, com Pedido de Tutela Antecipada, solicitando que o prefeito José Alberto Veloso abstenha-se do uso de elementos que vinculem a realização de obras e atividades do Município de Bacabal à pessoa do gestor.

Na ação, formulada pelo promotor de justiça Lindemberg Vieira, o MPMA também requer que sejam retirados, no prazo de 15 dias, nomes, símbolos, imagens e/ou slogan, de obras, publicidade, propagandas, sites e programas municipais, que possam caracterizar promoção pessoal do prefeito.

O objetivo é obrigar o Município de Bacabal a cumprir os princípios da moralidade e da impessoalidade na administração pública, contidos no artigo 37 da Constituição Federal.

De acordo com o representante do MPMA, o Município de Bacabal costuma promover a imagem de seus gestores, especialmente, do prefeito, desrespeitando o princípio constitucional da impessoalidade. Ainda segundo Lindemberg Vieira, o MPMA encaminhou, em março deste ano, Recomendação tratando do assunto, mas não houve resposta.

“A publicidade de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deve ter caráter educativo, informativo ou de orientação. Não pode conter nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”, explica o promotor. Ele esclarece, ainda, que a Lei Orgânica de Bacabal prevê o brasão oficial como símbolo oficial do município.

O MPMA requer que o Poder Judiciário estipule a multa por descumprimento das solicitações da ação em R$ 100 mil diários.

O blog revelou semana passada a situação ruim da cidade de Bacabal na administração de Zé Alberto (releia aqui)

Em negociata escroque, prefeito Zé Alberto pretende privatizar o SAAE de Bacabal

zeBuraqueira, péssimas condições na Saúde Pública municipal e escolas sem estrutura. Não bastasse todos esse problemas, moradores da cidade de Bacabal ainda tem que enfrentar a falta d’água em diversos bairros. E pior, correm o risco de pagar mais caro nas suas contas mensais.

Isso deve ocorrer depois que o prefeito Zé Alberto, irresponsavelmente, privatizar o SAAE – Companhia de Águas e Esgotos de Bacabal para uma empresa pré acertada, que seria do Estado do Mato Grosso.

De nome ainda não revelado, a empresa ficaria com uma concessão válida por vários anos. As negociações estão sendo feitas na surdina com a participação do filho do prefeito, o deputado Alberto Filho. Especula-se que o valor da negociata gira em torno de R$ 1 bilhão.

Outra grave denúncia que surgiu é de que vários vereadores ganhariam R$ 100 mil para votar a favor da privatização. Mas claro, quando procurados, todos negaram.

Sabe-se que o SAAE de Bacabal arrecada ao mês aproximadamente a quantia de R$ 600 mil. A grande questão é: o que é feito com o dinheiro pois não há melhorias no sistema e tão pouco um funcionamento adequado que supra as necessidades da comunidade que reclama constantemente da falta d’água.

Uma negociação feita assim na surdina, sem audiência pública, sem ouvir a vontade do povo e sem que tenha havido o devido processo legal para privatização é totalmente irregular e deve beneficiar apenas um pequeno grupo, incluindo o senhor prefeito Zé Alberto.

Prefeito Zé Alberto o 'Rei do Gado' e seu filho 'o rei da Vaquejada'

valeO fim de semana prolongado foi bem curtido em Bacabal pelo prefeito Zé Alberto e seu filho, o deputado federal Alberto Filho, que retornou às suas velhas atividades na região.

Com fama de bom ‘gastador’ o deputado e o pai arremataram alguns lotes de gado em um grande leilão tradicional que ocorre nesta temporada no município. Porém, um deles só vai ser pago por Alberto Filho, em junho.

O jovem deputado ficou conhecido em Zé Doca como o Rei da Vaquejada’ uma vez que ele só vai ao município quando há esse tipo de evento que é do seu agrado. Já o pai, o prefeito de Bacabal Zé Alberto, está mais para o ‘Rei do Gado’.

Assista as imagens da dupla gravadas durante um leilão publicadas no Blog Falando Sério. Veja aqui.

Roberto Costa bate boca com vereador filho do deputado Carlinhos Florêncio em Bacabal

costaUm vídeo gravado durante evento de fiscalização de obras em Bacabal, o deputado Roberto Costa (PMDB) e o vereador Florêncio Filho, filho do deputado estadual Carlinhos Florêncio, bateram boca.

Eles estavam juntos andando pelas ruas da cidade e verificando obras de asfaltamento e por discordarem politicamente começaram uma discussão que durou todo o percurso que foi nas ruas do Arame e Maranhão Sobrinho e ainda ruas dos bairros Santos Dummont e Vila São João.

A fiscalização terminou antes do previsto. A confusão foi presenciada por assessores e também pela imprensa local.

 

Bacabal: escola municipal é interditada por falta de infraestrutura

Prefeito de Bacabal. Zé Alberto
Prefeito de Bacabal. Zé Alberto

Em Bacabal, a escola municipal Raimundo Nonato Ferro do Lago, o Caique, no bairro Mutirão, foi interditada pelo Corpo de Bombeiros por oferecer riscos aos alunos. Por conta da situação, mais de 1.000 alunos estão fora das salas de aula. Estudam alunos de sete bairros da cidade.

Pais e alunos foram para a escola, em protesto, solicitar que a unidade de ensino não fosse fechada. “Nós não pode cruzar os braços, porque se essas crianças saírem daqui vão estudar onde?”, questionou a dona de casa Maria de Fátima da Silva.

A vistoria foi feita há 15 dias, mas só agora saiu o termo de interdição. Construída há 20 anos, a escola nunca passou por uma reforma, conforme constatou o laudo feito pelo Corpo de Bombeiros. Há fiação exposta, faltam luminárias de emergência, os extintores estão fora do prazo de validade e o sistema de hidrantes e de bombas de incêndio estão em mau estado de conservação.

“O ano letivo vai ser concluído. Vamos recuperar as aulas e daqui a 15 ou 20 dias todos os alunos estarão em suas salas de aula, com os seus professores. Infelizmente, aqui não dá para continuar”, garantiu o diretor da escola, José de Sousa Matos.

 

Escola não passa por reformas há 20 anos
Escola não passa por reformas há 20 anos
Escola não possui extintores e hidrantes
Escola não possui extintores e hidrantes
Alunos em protesto para que as aulas não fechem
Alunos em protesto para que as aulas não fechem